Argentina

Partido Cambiemos, de Macri, vence eleições legislativas na província de Buenos Aires

Lista de candidatos ao Senado encabeçada pelo ex-ministro de Educação Esteban Bullrich é a que tem mais votos

Presidente Maurício Macri participa do Fórum Econômico Mundial, em abril / Casa Rosada

A frente governista Cambiemos da Argentina venceu as eleições legislativas da província de Buenos Aires, principal distrito eleitoral, na votação que aconteceu neste domingo (22) no país.

Com 99% dos votos apurados na província, a lista de candidatos ao Senado encabeçada pelo ex-ministro de Educação Esteban Bullrich é a que tem mais votos, com 41,39%, seguida pela frente Unidad Ciudadana (UC), liderada pela ex-presidente Cristina Kirchner, com 37,24% dos votos.

Além da província de Buenos Aires, que concentra 37% do total de cidadãos com título de eleitor em todo o país, até o momento, os candidatos da Cambiemos também lideravam a contagem de votos com os seus candidatos para deputados nos seguintes distritos mais importantes: as províncias de Córdoba, Santa Fé e a cidade de Buenos Aires.

Com mais de 99% dos votos apurados, a cidade de de Buenos Aires apresenta a vitória de Elisa Carrió, também canditada pelo partido governista Cambiemos. Carrió somou mais da metade dos votos válidos da região, com 50,93%.

Em segundo lugar, Daniel Filmus, candidato pelo partido kirchnerista, acumulou 21,74% dos votos.

Oposição

O peronista Sergio Massa, candidato ao Senado argentino pela frente 1País, reconheceu neste domingo sua derrota na província de Buenos Aires ao ficar em terceiro lugar durante as eleições legislativas, segundo as primeiras sondagens, e prometeu que fará na Argentina "uma oposição séria, responsável".

Massa assegurou, durante um ato político no município de Tigre que o 1País (com 11,35% dos votos) vai trabalhar para "dar à Argentina uma oposição séria, responsável, que tenha capacidade de pôr limites, de controlar, mas também que tenha capacidade de reconhecer quando se toma uma boa decisão".

(*) Com Agência Efe.

Edição: Opera Mundi