Saúde

Médica critica alarmismo criado por Novembro Azul: "Homem não é só a próstata dele"

Natalia Madureira afirma que apesar do foco no câncer de próstata, a hipertensão vitima muito mais homens

Ouça o áudio:

Símbolo do mês novembro azul, que incentiva os homens a fazerem exames contra o câncer de próstata / Marcelo Camargo/Agência Brasil

“Quando a gente tem campanhas como o Novembro Azul, o homem só tem que procurar a unidade de saúde neste mês para fazer exame de próstata. O homem não é só a próstata dele, é muito mais do que isso”. Essa é a opinião da médica da família Natália Madureira Ferreira, que é membro da Rede Nacional de Médicos e Médicas Populares.

A visão dela é confirmada pelo United States Preventive Services Task Force (USPSTF), entidade voltada para a formulação de políticas de saúde e medidas preventivas nos Estados Unidos. Desde 2012, a entidade contraindica práticas como o rastreio de câncer de próstata com a realização do exame de sangue antígeno prostático específico (PSA) e a prova de toque, como ressalta Madureira:

“E aí o que se percebeu nos estudos, principalmente aqueles liderados pela USPSTF e pelo Canadá, é de que você causa mais malefício do que benefício fazendo o PSA como método de rastreio. Tanto o PSA, como o exame de toque não são indicados. Inclusive não se indica fazer campanhas como o novembro azul”, comenta.

Natália Madureira aponta que a hipertensão é uma doença muito mais frequente na maioria dos homens do que o câncer de próstata, mas não recebe a mesma atenção: “Hipertensão acomete muito mais homens do que câncer de próstata. Mas os homens não procuram o médico para resolver questões relacionadas à hipertensão”.

A Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade está entre as entidades que já se posicionou contra o rastreio de câncer de próstata. Em um comunicado publicado em 2015, a organização alertou para os riscos de realização desnecessária de exames como o de biópsia de próstata. A entidade ressaltou que se trata de um procedimento que pode provocar sangramentos, febre, infecção prostática e retenção urinária.

Natália Madureira explica que o exame PSA também é bastante sensível e pouco específico, dando margem para o que é conhecido como “falso positivo”:

“Do mesmo jeito que tem o falso negativo, que é quando a pessoa tem a doença e o resultado do exame vem negativo, também tem o falso positivo, que é quando a pessoa não tem a doença, mas acusa como se tivesse. Geralmente acontece com exames que têm grande sensibilidade, mas pouca especificidade. Ele é um exame bastante sensível, mas pouco específico, então ele vem positivo para várias coisas”.

A médica aconselha que o exame seja realizado apenas em casos em que os pacientes apresentem sintomas de câncer de próstata:

“O sintoma mais comum é o jato partido: quando ele vai tentar fazer xixi e é como se ele fosse fazendo de pouquinho em pouquinho, fica picado. Ele pode ter uma dificuldade para iniciar a micção, então ele vai ter que fazer muita força pra começar a fazer xixi. Uma outra coisa, ele pode ter alguma dificuldade durante a ejaculação e às vezes dói e às vezes dá aquela sensação de que a ejaculação tá difícil”, comenta a médica.

Madureira também destaca o fato de que os homens devem fazer acompanhamento médico durante todo o ano e não apenas em novembro.

A campanha de incentivo à realização do exame de próstata teve início no Brasil em 2008 e, em 2012, recebeu o nome de Novembro Azul. Entre os apoiadores da ação estão diversas empresas e laboratórios farmacêuticos.

Confira os apoiadores:

Edição: Vanessa Martina Silva