DESCONTENTAMENTO

Sobre o que realmente são os protestos no Irã?

Donald Trump e Benjamin Netanyahu estão tentando ganhar crédito, mas esse movimento é todo do povo

A atual onda de protestos se deve ao aumento das privações no Irã, ao desemprego, à carência e à desesperança / TeleSUR

Todos os olhos estão no Irã. No dia 28 de dezembro, espontaneamente, os protestos começaram a surgir na segunda cidade mais populosa do Irã, Mashhad - no Extremo Oriente, perto da fronteira com o Turquemenistão e o Afeganistão. Os protestos se moveram com velocidade deliberada em todo o país, para Kermanshah no Oeste e Bandar Abbas no Sul. Teerã não foi poupada, embora não seja o epicentro dos protestos. Isso é diferente do Movimento Verde de 2009, quando os cidadãos reformistas de Teerã foram às ruas com raiva do que viram como uma eleição roubada. É diferente dos levantamentos estudantis de 1999, novamente centrados em Teerã, quando os estudantes protestaram sobre o encerramento do jornal reformista Salam.



Aqueles eram protestos de uma classe média ascendente, sufocada por sanções sociais e por limitações políticas. Os protestos culminaram na eleição do presidente Hassan Rouhani, que é o atual padrinho de suas esperanças. As sanções sociais foram aliviadas em Teerã - as mulheres ​podem estar abertamente em público sem o véu (a polícia de Teerã havia dito no ano passado que não iria prender mulheres que não usavam o hijab). Mesmo os direitos políticos estão agora um pouco disponíveis para os reformistas. Ali Shamkhani, secretário do Conselho de Segurança Nacional, disse que as restrições aos líderes reformistas presos seriam levantadas.



A onda atual de protestos não se caracteriza tanto pelo desejo de um sistema político expandido, que foi a linguagem usada nos protestos "reformistas" anteriores. Esta é pelo aumento das privações no Irã - desemprego, carência e desesperança. A nitidez dos slogans - mesmo contra o líder supremo do país - indica o nível de raiva pelo fracasso da República Islâmica em atender às necessidades básicas de uma população crescente e jovem. Os protestos não foram nenhuma surpresa para aqueles que assistiram a ações da classe trabalhadora quase semanais em fábricas e instalações de petróleo, bem como protestos dos aposentados e aqueles que haviam perdido dinheiro na crise bancária. Essas ações aumentaram a confiança da classe trabalhadora e da classe média baixa, ambas as quais tinham visto seu padrão de vida despencar.



Revoltas de petróleo



O que está ocorrendo no Irã não é muito diferente do que está ocorrendo em todos os estados produtores de petróleo desde a Venezuela para a Arábia Saudita. Os preços do petróleo começaram a diminuir acentuadamente no segundo semestre de 2014 como resultado do alto rendimento da Arábia Saudita e seus aliados do Golfo. A produção de petróleo iraquiano e líbio caiu, então veio à tona que os sauditas e seus aliados do Golfo estavam apenas cobrindo esse déficit. Mas como o abastecimento ultrapassou a demanda, o volume de petróleo que os países do Golfo produziram parecia terum motivo político. Doeu ao Irã, já sofrido pelas sanções da ONU, da União Europeia e dos EUA, mas também atingiu a Rússia e a Venezuela. O Ocidente e os Sauditas viram esses três países - Irã, Rússia e Venezuela - como adversários. Era bem claro que isso era um movimento político.



A agitação na Venezuela reflete isso no Irã. Ambos os países - desde a década de 1940 - dependeram das exportações de petróleo para a sua própria agenda de desenvolvimento, ambos países não conseguiram diversificar suas economias além do petróleo e ambos os países se basearam em orçamentos nacionais reduzidos para proporcionar assistência social às suas populações. Foi esse cenário econômico e político estreito que produziu a Revolução iraniana de 1978-79 e a Revolução venezuelana de 1989-1999. Os resultados políticos em ambas foram diferentes, a primeira com a dinâmica sendo liderada e apreendida pelos clérigos islâmicos e a última sendo liderada e conquistada pelos socialistas bolivarianos.



Tanto o Irã quanto a Venezuela - de diferentes lados do espectro político - encontraram-se na mira dos Estados Unidos e seus aliados ocidentais. Foi isso que levou aos regimes de sanções contra ambos - pressionados pelo governo dos Estados Unidos. As sanções contra o Irã e a Venezuela têm tido diferentes intensidades, com o Irã sendo mais atingido na última década. Nem o Irã nem a Venezuela conseguiram efetivamente encontrar uma saída dos regimes de sanções ou criar redes comerciais regionais ou alternativas que lhes ofereçam câmbio e investimento, além de aumentar sua capacidade de depender menos das redes ocidentais de finanças e investimentos.



Expectativas aumentadas



O governo do Irã - liderado por Hasan Rouhani - aumentou as expectativas da população quando negociou o acordo nuclear com o Ocidente e as Nações Unidas em 2015. As sanções custaram ao Irã mais de US $ 160 bilhões nas receitas do petróleo desde 2012. Essa penalidade foi suportada pelos iranianos comuns, que viram seu padrão de vida cair e suas aspirações para o futuro constranger-se. Rouhani havia dito que o acordo nuclear atrairia investimentos para o país e liberaria o Irã do regime de sanções assassinas.



Mas, desde o acordo nuclear, as algemas do Irã permanecem. Os EUA - sob Trump - reforçaram as sanções não-nucleares. A beligerância de Trump em relação ao Irã segurou o interesse de muitas empresas transnacionais que anteriormente manifestaram intenção de fazer investimentos dentro do Irã. A aposta de Rouhani realmente não valeu a pena. O acordo nuclear de 2015, uma conquista por direito próprio, não forneceu completamente o tipo de alívio necessário para a população iraniana. As expectativas foram levantadas, mas pouco foi entregue.



Como parte de sua promessa de abertura, o governo de Rouhani divulgou detalhes de seu orçamento para o público no início de dezembro de 2017. Rouhani prometeu gastar cerca de US $ 100 bilhões - menos de um terço do seu projeto de orçamento - em programas de serviço público para criação de emprego e para um novo programa de seguridade social. A inflação continua a ser um problema, assim como os 840 mil jovens iranianos que entrarão na força de trabalho no ano que vem.



A confiança no orçamento de Rouhani foi atenuada quando o público percebeu quanto dinheiro vai para as instituições dominadas pelos clérigos. Por exemplo, na cidade de Mashhad, onde os protestos começaram, o Astan-e Quds Razavi, a maior doação do Irã, uma fundação que controla um santuário na cidade, possui 43% da terra na cidade e tem renda perto de US $ 150 milhões por ano. Nas eleições presidenciais de 2017, Ibrahim Raisi, candidato do líder supremo Khamenei e chefe da Astan-e Quds Razavi, declarou abertamente que Khamenei permitiu que a doação não pagasse impostos. Isso provocou a população, que viu essas instituições como esponjas em um Estado que havia virado as costas para os iranianos comuns. Tudo isso produziu um profundo sentimento de desassossego entre aqueles que não se vêm como beneficiários do acordo nuclear.



Em 2016, a taxa de crescimento do Irã aumentou à medida que o petróleo saiu do país e a demanda reprimida dentro do Irã permitiu que fosse cumprida. A taxa de crescimento aumentou para um respeitável 7,4%. Mas o sinal de perigo aqui é que a taxa de crescimento não-petroleira foi de apenas 0,9%. Esta foi uma recuperação impulsionada pelo petróleo e dependeu dos preços do petróleo. Antes de chegar ao poder em 1979, o aiatola Khomeini havia dito: "A economia é para burros". A República Islâmica - ao contrário do governo bolivariano na Venezuela - fez pouca tentativa de diversificar a economia e se preparar para um futuro pós-petróleo. Em vez disso, dependia de suas receitas de petróleo tanto para sua política interna quanto para sua política externa (incluindo o apoio à força política libanesa - Hezbollah - e ao governo sírio). O Irã permaneceu vulnerável desde que seu poder econômico dependesse do petróleo. Suas vulnerabilidades estão agora em exibição.



O desemprego oficial situa-se em 12,7%, mas esta é uma figura muito imprecisa. Fontes no Irã dizem que a taxa de desemprego juvenil pode até chegar a 50%. Para reduzir a inflação, o governo eliminou progressivamente os subsídios de energia e pão. Os preços desses bens aumentaram - um fator decisivo nos protestos. É importante ressaltar que, em antecipação ao fim desses subsídios, o governo iniciou um regime de transferência de dinheiro universal em 2010, o que foi atribuído a uma queda da pobreza de 13,1% (2009) para 8,1% (2013). Mas o fato de um declínio na pobreza não fez nada com a raiva pelos cortes de subsídios que vieram quando os preços dos bens básicos (energia e pão) aumentaram, apesar do fato de que a inflação geral declinou. Na verdade, em 2014, a taxa de pobreza começou a aumentar novamente - um sinal de que a política de controle de inflação de Rouhani tem sido um ataque direto contra a classe trabalhadora iraniana e a classe média baixa.



Há algo de vulgar sobre o modo como o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e seus líderes estão se abalando sobre os protestos no Irã. Afinal, é a política norte-americana de estrangular o Irã que criou as condições para esses protestos. Mas o fim das sanções tem condensado a frustração no governo de Rouhani e na própria República Islâmica - e não nas políticas continuadas do Ocidente. Politicamente, Trump e Netanyahu se beneficiam do acordo nuclear de Obama; ele fez parecer que o Ocidente não é mais responsável pela crise no Irã.



Dezenas de milhares de pessoas chegaram às ruas. Mas dezenas de milhares a mais seguiram para defender a República Islâmica. Estes são tempos tensos para o Irã. É claro que o governo vai ter que aderir à pressão desse levantamento da classe trabalhadora. Não é suficiente descrever os manifestantes como agentes estrangeiros. Mesmo que Trump e Netanyahu, os monarquistas e o Mujahideen Khalq tentem assumir o crédito pelo levante, eles não estão no comando. O poço do patriotismo iraniano é profundo. Os iranianos não receberão as ordens da Casa Branca. Mas tampouco eles se sentarão em silêncio enquanto suas vidas se derrubam diante de seus olhos.


Edição: Alternet | Translation: Pilar Troya