Lava Jato

Em Porto Alegre, juristas questionam irregularidades na sentença de Moro contra Lula

"O que está em debate neste processo é justamente a destruição do Estado democrático de direito", diz professor da UFPR

Brasil de Fato | Porto Alegre (RS)

,
Juristas questionam arbitrariedades da Operação Lava Jato em ato em Porto Alegre / Ireno Jardim/FBP

Dezenas de juristas, intelectuais e políticos lotaram o auditório da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Instituições Financeiras do Rio Grande do Sul (Fetrafi), na noite desta segunda-feira (22), para um ato em defesa da democracia e do direito de o ex-presidente Lula ser candidato à presidência em 2018.

A atividade teve como objetivo discutir as ilegalidades da Operação Lava Jato, pela qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será julgado em segunda instância na próxima quarta-feira (24), no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

::Acompanhe as mobilizações em torno do julgamento de Lula  

De acordo com um dos juristas presentes, Jacson Zilio, professor de Direito Penal da Universidade Federal do Paraná, UFPR, na qual Moro também leciona, a decisão do juiz de primeira instância tem sérios problemas jurídicos, mas levanta questões ainda maiores.

"Talvez uma dimensão muito maior do que essas deficiências jurídicas seja o uso de Direito Penal para fins políticos. Esse é um processo onde o que está em debate é justamente essa destruição do Estado democrático de direito em que os processos penais estão configurados como processos de exceção", afirmou.

A opinião é compartilhada pelo jurista Juarez Cirino, que também leciona Direito Penal na UFPR. De acordo com Cirino, há uma motivação político-partidária nas decisões jurídicas da Operação Lava Jato.

"Como a experiência política deles nas últimas eleições foi de derrota eleitoral, e a perspectiva para a próxima também é de derrota eleitoral, eles descobriram esse método de luta política deslocando a campanha eleitoral das praças públicas para a 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba. Agora, Lula, como a gente previa desde o princípio, foi condenado sem provas, e o povo está aqui reunido exatamente para apoiá-lo nesse momento", disse.

Alguns dos juristas que participaram do ato chegaram a se manifestar criticamente à condenação de Lula no livro "Comentários a uma sentença anunciada: o processo de Lula", publicado em agosto de 2017. Eles destacam que não há elementos técnicos para a condenação do ex-presidente. Entre os excessos e as irregularidades destacados estão o uso abusivo das ferramentas das delações premiadas, da condução coercitiva e da jurisdição universal, além da condenação sem provas.

O ato terminou com as falas do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) e da senadora e presidenta do PT, Gleisi Hoffmann (PR), que destacaram que não há saída legal para o processo de Lula a não ser sua absolvição. A atividade fechou o primeiro dia de luta em defesa da democracia e de Lula.

As mobilizações em Porto Alegre e por todo o país continuarão até esta quarta-feira, dia 24, e a cobertura completa minuto-a-minuto pode ser acompanhada aqui.

Edição: Vanessa Martina Silva