Perseguição

"Não nos renderemos à injustiça: Lula é candidato", diz PT após resultado do TRF4

Em nota, a Frente Brasil Popular também se manifestou, ressaltando a continuidade das mobilizações pela democracia

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,
Ex-presidente Lula durante ato no Sindicato dos Metalúrgicos em São Bernardo do Campo nesta quarta / Ricardo Stuckert

Em nota divulgada nesta quarta-feira (24), logo após o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) confirmar a condenação do ex-presidente Lula proferida pelo juiz de primeira instância Sergio Moro, o Partido dos Trabalhadores (PT) lançou uma nota crítica à decisão, chamando a decisão de “injustiça” e “farsa judicial”.

O documento, assinado pela presidenta do partido, Gleisi Hoffman, ressalta que o teor da votação, que foi unânime, “confirma o engajamento político-partidário de setores do sistema judicial, orquestrado pela Rede Globo, com o objetivo de tirar Lula do processo eleitoral”.

“O plano dos golpistas esbarra na força política de Lula, que brota da alma do povo. Esbarra na consciência democrática da grande maioria da sociedade, que não aceita uma condenação sem crime e sem provas, não aceita a manipulação da justiça com fins de perseguição política”, diz o texto.

Em tom aguerrido, a nota do PT ressalta que haverá luta em defesa da democracia “em todas as instâncias, na Justiça e principalmente nas ruas”. E conclui: “Hoje é o começo da grande caminhada que, pela vontade do povo, vai levar o companheiro Lula novamente à Presidência da República”.

Frente Brasil Popular

A Frente Brasil Popular, que reúne partidos de esquerda e movimentos populares do país, também se pronunciou sobre a condenação de Lula em julgamento de segunda instância. “Continuaremos nas ruas lutando por eleições democráticas e em defesa dos direitos do povo brasileiro”, diz a organização.

“O resultado não surpreendeu ninguém. Setores do judiciário, que deveriam ter a defesa da Justiça como bastião, apoiaram o ataque ao Estado Democrático de Direito e agora, num julgamento político, protagonizam mais um ato desse golpe na democracia brasileira”.

A organização também ressaltou a importância de que o povo possa escolher o candidato a presidente e que o impedimento de sua participação “são condições para impor o programa de retirada de direitos dos trabalhadores, destruição do Estado social, entrega dos nossos recursos naturais e submissão ao imperialismo dos Estados Unidos”.

A continuidade da mobilização foi destacada pelos movimentos: “nossa luta não começou nem se encerra hoje. A luta pela democracia continuará nos tribunais, nas ruas e nas redes, assim como a luta em defesa da previdência pública e do nosso direito à aposentadoria que está ameaçado de destruição por uma reforma em discussão no Congresso. A Frente Brasil Popular se soma às centrais sindicais no grito de que se botar para votar o Brasil vai parar!”.

“Continuaremos denunciando que eleição sem Lula é fraude, é o aprofundamento do golpe. Continuaremos denunciando e combatendo os ataques aos direitos conquistados pelo povo e ao patrimônio da nação. Só a unidade e a mobilização popular podem dar fim a essa crise e plantar as sementes de um futuro de prosperidade e vida digna para o povo brasileiro”, conclui a nota.

Edição: Simone Freire