Direitos Humanos

Brigada militar prende 26 manifestantes e revira a casa de um deles em Porto Alegre

Os jovens são militantes de movimentos populares, como Levante, MST e Mídia Ninja

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,
Dos 26 jovens presos, 16 ainda continuam no 3ª Departamento de Polícia de Porto Alegre. / Mídia Ninja

No início da noite dessa quarta-feira (24), após o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, 26 jovens foram presos pela Brigada Militar do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre.

Os jovens são militantes de movimentos populares, como o Levante Popular da Juventude, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e a Mídia Ninja. Eles foram detidos no 3ª Departamento de Polícia de Porto Alegre. Os manifestantes foram acusados de formação de quadrilha e incêndio criminoso.

Segundo relatos, os manifestantes foram abordados na rua e, depois, foram conduzidos para a casa de um deles. O local foi completamente revirado pela polícia.

Segundo nota do Levante, "a criminalização da esquerda e da luta é um braço fundamental do golpe a democracia no nosso país. Diante da retirada de direitos historicamente conquistados e do desmonte do Estado brasileiro, querem implantar em cada um(a) de nós o medo de se manifestar. Reprimir os nossos sonhos, a nossa capacidade de se indignar e principalmente, querem que a juventude não compreenda que só o povo organizado tem o poder de transformar a realidade".

Dos 26 jovens presos, dez já foram liberados. Agora, 16 pessoas aguardam para serem transferidas para o presídio central. São 13 mulheres e 3 homens. Uma pessoa que estava na rua e tirou fotos da ação também foi detida e passou a noite algemada. Ela não fazia parte do grupo.

Edição: Luiz Felipe Albuquerque