Mobilizações

Curitiba e interior do Paraná terão atos contra a reforma da previdência no dia 19

Professores aderem ao dia nacional de lutas e organizam caminhada e aula pública

Brasil de Fato | Curitiba (PR)

,
Sindicato deve fazer conversas com os estudantes e também uma carta explicativa aos pais / Mídia Ninja

Assembleias e paralisações sindicais contra a reforma da previdência acontecem em pelo menos oito estados na próxima segunda-feira (19).

Na capital paranaense, um dos atos é organizado pela Associação dos Professores da UFPR (APUFPR) e está marcado para às 8h, no Terminal Guadalupe.

Em Araucária, petroleiros, petroquímicos e trabalhadores das empresas de montagem fazem paralisação em frente às unidades da Refinaria Presidente Getúlio Vargas e da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen-PR).  

Professores estaduais são uma das categorias que aderem ao ato nacional e paralisam as atividades. “O empresariado demonstrou nos últimos dias que se mobiliza para pressionar os deputados. Por isso, nossa mobilização se torna cada vez mais importante para barrar este retrocesso e defender nosso direito à aposentadoria”, afirma a direção estadual da APP-Sindicato.

Na programação, o sindicato deve fazer conversas com os estudantes e também uma carta explicativa aos pais.

Haverá ato também em Ponta Grossa, na “Igreja dos Polacos”, ponto de manifestações tradicional no coração da cidade. A ação está marcada para iniciar às 15h30, com caminhada até o calçadão, onde haverá uma aula pública. A reforma da previdência será o tema da atividade, com a presença de advogados especializados e professores universitários.

“Ainda não conseguimos ‘furar a bolha’ e ir até a periferia debater com o povo. Em Ponta Grossa, é uma cidade ainda mais complicada, com uma associação comercial e industrial que defende a ditadura militar”, informa Dani Fanchin, microempreendedora e integrante da Frente Brasil Popular de Ponta Grossa.

Edição: Júlia Rohden