Seleção Brasileira

O grande problema da Seleção Brasileira na Copa do Mundo se chama Neymar

A preocupação com Neymar não está no seu futebol. Está no seu comportamento dentro de campo. Devemos nos preocupar?

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ)

,

Ouça a matéria:

Neymar comemora um dos seus gols pelo Paris Saint-Germain / Fotos Públicas / C. Gavelle / PSG

Acredito que todo mundo tenha acompanhado o anúncio da convocação da Seleção Brasileira na última semana. Além dos nomes já manjados como Willian, Philippe Coutinho, Marcelo e Daniel Alves, Tite chamou algumas surpresas como o goleiro Neto (do Valencia), o zagueiro Pedro Geromel (do Grêmio) e o atacante Willian José (do Real Sociedad). Muita gente cornetou e muita gente aplaudiu. Afinal, você sabe que vivemos num país com mais de duzentos milhões de treinadores que entram em êxtase nas vésperas de uma Copa do Mundo. E tem muita gente falando nos problemas que o escrete canarinho pode ter no Mundial da Rússia. E eu digo sem sombra de dúvida que o grande problema já está dentro da Seleção e se chama Neymar.

Antes que vocês me xinguem, rasguem o jornal ou fechem a janela do site, deixo claro que não estou falando daquilo que nosso camisa dez é capaz de fazer dentro de campo. Neymar é gênio e provou isso diversas vezes com a camisa do Santos, do Barcelona, do PSG e da Seleção Brasileira. Minha preocupação está no comportamento do jogador. Não foram poucas as vezes em que o vimos perdendo a cabeça diante das provocações dos adversários. Lembram da Copa América de 2015? Lembram dos jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo? É claro que Tite sabe disso e tratou de dar aquele “afago” em Neymar, mas nosso treinador não entra em campo. Além disso tudo, o staff do camisa dez faz muito pouco (para não falar que não faz nada) para acabar ou diminuir o claro deslumbre do atleta com o seu momento na carreira. Fato é que Neymar virou alvo de toda a imprensa esportiva mundial. E queiram ou não, isso interfere sim no seu desempenho dentro de campo. Não por acaso vários craques do passado da nossa Seleção recomendaram que ele tomasse um “chá de sumiço” enquanto se recupera da operação no pé.

Se Neymar vai estar em condições de mostrar sua qualidade dentro de campo na Copa do Mundo só depende dele. O que preocupa é todo esse assédio em torno do brasileiro e, principalmente, como ele vem encarando isso.

FLAMENGO

O Flamengo já tem vários exemplos de outros clubes que acabaram sucumbindo diante da “obsessão pela Libertadores”. A questão é como lidar com isso e a pressão da diretoria e da torcida. A boa vitória contra o Emelec fora de casa foi um senhor alento. Mas é bom ir devagar com o andor…

VASCO

O Vasco talvez seja o clube brasileiro com a menor chance de classificação para a próxima fase da Libertadores. Isso de acordo com a maioria da imprensa esportiva. Mas futebol também é feito de surpresas. E o Trem Bala da Colina pode ser uma delas. Mesmo com a derrota em casa para a Universidad de Chile.

FLUMINENSE

O time do Fluminense vinha assimilando o esquema com três zagueiros proposto por Abel Braga. No entanto, a pouquíssima quantidade de jogadores no elenco já começa a pagar o seu preço. A eliminação na Copa do Brasil para o Avaí não foi por acaso.

BOTAFOGO

A melhora do Botafogo dentro de campo depois da chegada de Alberto Valentim é evidente. O time está mais organizado e mais compacto dentro de campo. Só falta uma coisa: reforços de qualidade. Cartas para a diretoria alvinegra…

Grande abraço e até a próxima!

Edição: Vivian Virissimo