Caravana

Na terra de Getúlio, Jango e Brizola, Lula e Dilma são recebidos com festa

Ex-presidentes Dilma e Lula estiveram nesta quarta-feira na cidade de São Borja (RS), terra de Vargas, Jango e Brizola

Brasil de Fato | São Borja (RS)

,
Lula e Dilma visitam a cidade de São Borja (RS), na última quarta-feira (21) / Ricardo Stuckert

“Essa é uma terra de heróis”, disse a presidenta eleita Dilma Rousseff (PT) ao saudar a multidão que recebeu a Caravana Lula pelo Brasil na cidade gaúcha de São Borja, nesta quarta-feira (21), terra natal de dois ex-presidentes brasileiros: Getúlio Vargas e João Goulart, também adotada pelo ex-governador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro, Leonel Brizola. 

A visita, no terceiro dia de caravana, resgata o legado do trabalhismo na história do Brasil. E a data não poderia ser mais apropriada: 21 de março, exatos 86 anos depois que Vargas instituiu a Carteira Profissional no Brasil (CLT). É o que expressa Vicente Wiles, agricultor familiar da região. 

“São Borja tem essa simbologia, dos presidentes que saíram daquela terra, os presidentes que deram essa base trabalhista que o Brasil tem hoje. Acho que Jango representa muito isso, e que o Lula, a caravana, vai beber dessa fonte, recuperar um pouco do que foi aquele processo que ajudou os trabalhadores a reconhecer seus direitos”, afirma. 

Opinião compartilhada pelos mais jovens. Patrícia, universitária bolsista do Programa Universidade Para Todos (ProUni), esteve no ato público com Lula e Dilma para agradecer pela oportunidade de estudar. “A vinda dele reforça o que o Getúlio fez. É a cidade dele, e ele [Lula] vem para nos relembrar tudo o que aconteceu. A gente está vivendo outro momento difícil, e ele nos faz reviver isso de uma outra forma. Eu não poderia fazer esse curso nunca se não fosse pelo ProUni. É a oportunidade da minha vida, e eu sou muito grata”. 

A juventude compareceu em peso à praça central de São Borja. Robson Trindade, jovem negro, estudante da Licenciatura em Educação do Campo na Universidade Federal do Pampa (Unipampa), também atribui a Lula e Dilma a oportunidade de concluir seus estudos. “Se não fosse o governo Lula ter oportunizado ao pobre ir numa faculdade, ter uma graduação a mais, eu não teria condições”. 

Em frente ao mausoléu de Getúlio Vargas, Lula destacou a importância do legado do ex-presidente gaúcho para a história dos trabalhadores, e criticou a retirada de direitos levada adiante pelo governo golpista de Michel Temer (MDB). “Eu vim aqui num gesto de paz, de tranquilidade, para dizer ao Getúlio que é uma vergonha, uma falta de caráter, uma falta de hombridade, as pessoas rasgarem tudo que foi construído para garantir direitos elementares ao povo trabalhador deste país”. Em seguida, prometeu revogar as medidas impopulares, caso seja eleito novamente presidente da República. 

Terminado o ato, Lula e Dilma prestaram homenagem frente ao túmulo de Vargas, onde cantaram o hino nacional, antes de deixar a cidade de São Borja, dando continuidade à programação da caravana. 

A caravana segue

Durante os primeiros dias de caravana, houve protestos minoritários contra a presença do ex-presidente Lula. Em Bagé e Santa Maria, foram identificados grupos de milícias armadas, que logo foram contidos pelas autoridades policiais e o grupo de segurança do ex-presidente. Em todas as ocasiões, tratava-se de um pequeno grupo, em sua maioria, apoiadores do pré-candidato da extrema direita, Jair Bolsonaro (PSL). 

No segundo dia, jornais de circulação nacional chegaram a noticiar que o Partido dos Trabalhadores estaria reavaliando a programação, o que foi logo desmentido pela dirigência petista. Segundo o deputado federal Paulo Pimenta (PT/RS), em nenhum momento foi considerada essa possibilidade. “São pequenas parcelas de um setor da sociedade inconformado com tudo aquilo que o Lula fez, que a Dilma fez. A caravana segue, e é aquele velho ditado popular: enquanto a caravana passa, a cachorrada late”.

A Caravana Lula pelo Sul começou na última segunda-feira (19) e vai até o dia 28 de março. Serão mais de três mil quilômetros, passando por 19 cidades dos três estados da região sul do país.

Edição: Luiz Felipe Albuquerque