Rádio

Ouça o Programa Brasil de Fato - Edição Minas Gerais 14/04/2018

Quilombolas de Araçuaí, Vale do Jequitinhonha, denunciam prisão de líder e afirmam que detenção é parte de uma emboscada

Belo Horizonte

,

Ouça a matéria:

Em Dia Nacional de Mobilizações por Lula Livre principais vias de acesso à BH são bloqueadas / Frente Brasil Popular

Em Dia Nacional de Mobilizações pela liberdade de Lula, dezenas de atos em todo o país denunciaram a prisão injusta. Na capital mineira, 3 das principais avenidas da cidade foram bloqueadas para denunciar a ilegalidade da prisão do ex-presidente.

As Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo continuam com agenda de mobilizações pela liberdade do ex-presidente Lula. Para a próxima terça-feira, 17 de abril, está marcado o Dia Nacional de Mobilização Contra a Rede Globo. Por todo país vão ser realizados atos e intervenções para denunciar o papel da empresa no golpe.

Quando o assunto é injustiça, infelizmente o caso de Lula não é único no Brasil. Nessa edição nós também vamos falar sobre o caso de Antônio Baú, liderança quilombola que foi presa no começo do mês e até agora não pôde receber visitas. Ele foi detido porque tentava se proteger e proteger a sua comunidade. Nos últimos anos a comunidade do Baú, em Araçuaí, enfrenta cotidianamente ameaças, atentados e retaliações.

A gente vê se replicando cada vez mais os atos políticos, as manifestações, as adesões a todas as formas de protestos contra esses retrocessos que o país enfrenta. E tudo isso é também um fazer político. É sobre este tema a coluna do jornalista João Paulo Cunha.

E por falar em formação política, as universidades de Minas Gerais estão oferecendo cursos sobre o golpe de 2016. Principais instituições do estado se unem à mobilização nacional contra a censura e com o objetivo de alertar a sociedade sobre a situação política do Brasil. 

E em Santa Luzia, região metropolitana de BH, o cenário é de incerteza política. Frente ampla construída no município defende eleições diretas para prefeitura. Após cassação da chapa que venceu em 2016, o cenário da cidade é de instabilidade.

Trabalhadores da educação permanecem em greve em Minas Gerais. A decisão foi tomada em assembleia feita no último dia 10. Além de professoras, faxineiras, cantineiras e secretárias, outras profissionais da educação também aderiram ao movimento. 

 

Edição: Minas Gerais