Jornada

MST ocupa fazenda de Oscar Maroni, o "magnata do sexo"

Maroni é conhecido por agenciar casas de prostituição de luxo como o Bahamas Club, na cidade de São Paulo

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça a matéria:

Esta é a quarta vez que o MST ocupa a fazenda; a área já esteve envolvida em processos trabalhistas que a levaram a leilão em 2016 / MST

Cerca de 300 integrantes ligados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocuparam, na manhã desta terça-feira (17), a Fazenda Santa Cecília, de propriedade de Oscar Maroni. A área fica em Araçatuba, interior de São Paulo.

Esta é quarta ocupação do movimento na área do empresário, conhecido por agenciar casas de prostituição de luxo como o Bahamas Club, na cidade de São Paulo. 

A fazenda possui cerca de 700 hectares, e já esteve envolvida em processos trabalhistas que a levaram a leilão em 2016. O MST exige que a área seja destinada à Reforma Agrária.

Autodenominado "magnata do sexo", Maroni foi acusado pelo Ministério Público de São Paulo de manter casa de prostituição e de “facilitar ou induzir a prostituição alheia” no Bahamas. O empresário foi condenado em primeira instância em 2011, mas o Superior Tribunal de Justiça (STJ) o absolveu em outubro de 2017.

A ação faz parte da Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária e denuncia as violências de Oscar Maroni. Ao longo desta terça-feira, os movimentos populares ligados à Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo realizam uma série de mobilizações em todo o Brasil. Além de rememorar os 22 anos de impunidade do Massacre de Eldorado dos Carajás, as ações também denunciam a paralisação da Reforma Agrária, a arbitrariedade da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e reivindica agilidade nas investigações do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes.

 

Edição: Luiz Felipe Albuquerque