DEMOCRACIA

Após eleições acirradas, candidato de centro-esquerda pede recontagem no Paraguai

Efrain Alegre, que ficou em segundo lugar com 100 mil votos a menos que vencedor, aponta irregularidades no processo

Efrain Alegre (ao centro) teve 42,7% dos votos contra 46,47 de Mário Abdo, do Partido Colorado / Efrain Alegre/Facebook/Reprodução

O candidato à presidência do Paraguai Efrain Alegre, que terminou em segundo lugar nas eleições, exigiu nesta terça-feira (24/04) recontagem dos votos.

Em suas redes sociais, o candidato da coalizão de centro-esquerda Aliança Ganhar afirmou ter provas de fraude na votação.

“Vamos controlar ata por ata, voto por voto, sempre respeitando a vontade dos cidadãos. Não vamos permitir nenhuma fraude nos resultados preliminares”, escreveu Alegre em sua conta no Twitter.

O paraguaio ainda divulgou imagens de cédulas de votação que mostram divergências com os resultados computados no site da justiça eleitoral do país.

“Aqui lhes deixo um exemplo claro onde o TREP [transmissão de Resultados Eleitorais Preliminares] dá à Aliança 0 quando ela teve 65 votos”, escreveu o candidato.

O Partido Colorado paraguaio, o mesmo que deu sustentação à ditadura de Alfredo Stroessner (1954-1989), saiu vitorioso nas eleições gerais, realizadas no último domingo (22/04).

Mario Abdo Benítez, candidato governista de direita, foi eleito com 46,47% dos votos, contra 42,7% de Efraín Alegre - uma diferença de menos de 100 mil votos, que marcou o resultado mais apertado desde 1993

Salvo o período de 2008 a 2012, quando a Frente Guasú conseguiu eleger o ex-presidente Fernando Lugo, o Colorado é a agremiação política que domina o Paraguai há mais de 70 anos.

Edição: Redação