Universidade

Educação pública a serviço da soberania nacional é defendida pela UNE em Salvador

Diversos debates e atividades reuniram estudantes na UFBA; seminário segue no RJ dia 22

Salvador (BA)

,
A defesa da universidade pública, gratuita, de qualidade e que esteja à serviço da soberania nacional foi discutida em debate. / Lorena Carneiro

Defender a universidade pública, gratuita, de qualidade e que esteja à serviço da soberania nacional. Essa foi a mensagem trazida a partir do debate “O papel estratégico da universidade no desenvolvimento da pesquisa da ciência, da tecnologia e da inovação”, promovido pela UNE Volante, que esteve na Universidade Federal da Bahia (UFBA), em Salvador, nos dias 16 e 17 de maio.

A mesa, que foi realizada no Auditório de Biologia, trouxe como debatedores  João Morais, dirigente da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e Coordenador da Plataforma Operária e Camponesa para Energia, Maíra Kubik, coordenadora do Núcleo de Estudos Interdisciplinar da Mulher (NEIM – UFBA), pela Deputada Federal (PC do B) e membro titular da Comissão de Educação, Alice Portugal, por Natan Ferreira, presidente da União dos Estudantes da Bahia (UEB) e por Pedro Gorki, presidente da União Brasileira de Estudantes Secundaristas (UBES).

Alice Portugal destacou a política do governo golpista em repassar os recursos naturais do Brasil para as mãos das empresas estrangeiras: “Estamos vivendo um tempo em que o Judiciário legisla e o Executivo é entreguista. A cada semana, no Congresso Nacional, se entrega uma fatia da soberania nacional, um naco dos nossos direitos”, diz. “Assim como esse debate de hoje foi muito importante pra conversar sobre a importância da universidade, é igualmente importante que discutamos a soberania energética. Estão entregando o pré-sal, a Eletrobras, a Petrobras. É todo um movimento de destruição nacional”, alerta João Morais.

Élder Reis, diretor de Políticas Raciais da UNE e estudante de psicologia da UFBA, destaca a importância desse debate para os estudantes.“A ciência e tecnologia precisam servir para melhorar a vida do povo, pra incidir na realidade concreta da população. É pra desenvolver políticas sociais, fortalecer a Petrobras, por exemplo, para que a gente tenha melhores condições de vida", diz.

O debate foi coordenado pela mesa diretora da UNE, composta por Marianna Dias, presidenta da entidade, Jessy Dayane, vice-presidenta, e Mario Magno, Secretário Geral. Jessy destacou a importância da UFBA para ser uma das universidades que sedia a UNE Volante. “A UFBA é uma universidade que pulsa muito o povo brasileiro, que tem a marca de expressar a diversidade do povo. Então vir à Bahia, vir à UFBA é muito revigorante pra termos mais força para continuar fazendo o debate e a defesa desta universidade - da universidade pública, gratuita, e que tenha sobretudo mulheres, negros, negras e LGBTs”, ressalta a vice-presidenta. O próximo destino da UNE Volante é a UERJ, no Rio de Janeiro, dia 22 de maio.

     

Greve

Morais anunciou para o auditório lotado da UFBA que o Conselho Deliberativo da FUP, reunido na própria quinta-feira, dia do debate, aprovou greve por tempo indeterminado em resposta ao desmonte do Sistema Petrobras. O calendário de lutas se inicia no próximo dia 21 e traz quatro eixos principais: pela redução dos preços dos combustíveis e do gás de cozinha; pela manutenção dos empregos e retomada da produção interna de combustíveis; pelo fim das importações da gasolina e outros derivados de petróleo e contra as privatizações e desmonte do Sistema Petrobras.

Além disso, o dirigente trouxe o Congresso do Povo como uma das saídas organizativas para enfrentar os desafios atuais. “A realização do Congresso do Povo vem numa hora muito importante, numa hora que é preciso que a gente elabore propostas que dialoguem com o conjunto dos movimentos e acima de tudo, que desenhe um país que possa utilizar dos seus recursos pro bem do povo, porque hoje acontece justamente o oposto. Certamente só o povo brasileiro unido, organizado, mobilizado, pode reverter isso”, salienta.

 

Edição: Elen Carvalho