Diplomacia

Trump cancela reunião de cúpula em Cingapura com Kim Jong-un

"Você fala sobre suas capacidades nucleares, mas a nossa é tão gigante que rezo para que ela nunca precise ser usada"

Donald Trump cancelou reunião prevista para junho com Kim Jong-un / Reprodução

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cancelou nesta quinta-feira (24) a histórica reunião com o presidente da Coreia do Norte, Kim Jong-un, que estava prevista para o dia 12 de junho, em Cingapura. O republicano enviou uma carta a Kim na qual diz que tomou a decisão com base na "tremenda raiva e hostilidade aberta" manifestada em uma declaração recente feita por autoridades norte-coreanas. A Coreia do Norte ainda não respondeu à missiva.

De acordo com o texto, Trump disse que "estava aguardando" encontrar-se com o norte-coreano, mas sente que '"é inapropriado, neste momento, realizar essa reunião há muito tempo planejada". O chefe de Estado norte-americano ainda ressaltou que tomou a decisão "pelo bem das duas partes, mas em detrimento do mundo".

"O mundo e, em particular a Coreia do Norte”, perde "uma grande oportunidade para uma paz duradoura", afirmou. "Este é um momento muito triste para a história."

 O anúncio de Trump ocorre no mesmo dia em que a Coreia do Norte anunciou a destruição do centro de testes nucleares de Punggye-ri. Na última quarta-feira (23), Pyongyang disse que dependia dos Estados Unidos a decisão de se encontrar "na mesa de negociação ou no confronto nuclear".

"Você fala sobre suas capacidades nucleares, mas a nossa é tão gigante e poderosa que rezo a Deus para que ela nunca precise ser usada", disse Trump na carta.

Hoje, em mais uma polêmica, a vice-chanceler da Coreia do Norte, Choe Son-hui, fez diversas críticas ao governo de Trump e chamou o vice-presidente norte-americano, Mike Pence, de "político burro" após falar que Pyongyang pode acabar como a Líbia.

Leia a carta na íntegra:

Sua Excelência

Kim Jong-un

Presidente da Comissão de Interesses do Estado da República Democrática da Coreia:

Apreciamos muito seu tempo, paciência e esforço em respeito as nossas recentes negociações e discussões relativas à cúpula há tanto tempo buscada pelos dois lados, que estava agendada para 12 de junho em Cingapura. Fomos informados de que o encontro foi requisitado pela Coreia do Norte, mas isso para nós é completamente irrelevante. Eu estava na expectativa de encontrá-lo. Infelizmente, baseado na enorme raiva e na hostilidade aberta expressadas em seu comunicado mais recente, sinto que é inapropriado, neste momento, realizar essa reunião há tanto tempo planejada. Dessa maneira, essa carta atesta que a cúpula de Cingapura, pelo bem dos dois lados, mas em detrimento do mundo, não acontecerá. Você fala sobre suas capacidades nucleares, mas a nossa é tão gigante e poderosa que rezo a Deus para que ela nunca precise ser usada.

Eu achei que um diálogo maravilhoso estava sendo construído entre nós, e, no fim das contas, esse é o único diálogo que importa. Um dia, espero muito poder encontrá-lo. Nesse meio tempo, gostaria de agradecer por ter libertado os reféns que estão agora com suas famílias. Isso foi um gesto muito bonito e que foi muito apreciado.

Se você mudar de ideia, sobre o que está relacionado a essa importante cúpula, não hesite em me ligar e me escrever. O mundo, e a Coreia do Norte em particular, perdeu uma grande oportunidade de ter paz permanente e grande prosperidade e riqueza. Essa oportunidade perdida é realmente um momento triste na história.

Atenciosamente, 

Donald J. Trump 

Presidente dos Estados Unidos da América

*Com Ansa

Edição: Opera Mundi