GREVE

SINDIPETRO PE/PB se manifesta contra política de preços da Petrobras

A a partir do dia 30, a categoria entra em greve contra a política de preços e privatização da estatal

Brasil de Fato | Petrolina (PE)

,
Petroleiros organizam hoje uma manifestação na refinaria de Abreu e Lima / SINDIPETRO PE/PB

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) anunciou uma greve a partir do dia 30 de maio. A pauta da greve tem cinco objetivos, que são a redução dos preços dos combustíveis e do gás de cozinha; a manutenção dos empregos e retomada da produção interna de combustíveis; o fim das importações da gasolina e outros derivados de petróleo; se manifestar contra as privatizações e desmonte do Sistema Petrobrás e pedir a demissão de Pedro Parente da Presidência da Petrobrás.

A Federação também repudiou a entrada das Forças Armadas dentro das instalações da Petrobrás, afirmando que essa movimentação faz parte das medidas antidemocráticas tomadas por Temer desde o golpe 2016. “A entidade repudia enfaticamente a presença de unidades das Forças Armadas em instalações da Petrobrás, o que mais uma vez demonstra a ruptura democrática significada pela usurpação das instituições públicas.”, afirma Rogério Almeida, presidente do SINDIPETRO.

A Central Única dos Trabalhadores também se posicionou em apoio à greve dos caminhoneiros, afirmando que a solução proposta por Temer, que retirará cerca de R$ 5 bilhões dos cofres públicos para diminuir a freqüência de reajuste de preços, que seria mensal durante um ano. Em nota, a central critica a medida e pede a revisão da política de preço, que é o que causou os recentes aumentos e também a demissão de Pedro Parente, atual presidente da Petrobrás.

Carlos Veras, presidente da CUT Pernambuco, ressalta o real objetivo da atual gestão de Parente “Muito embora, o governo golpista tente transparecer que está buscando soluções resolver a questão por meio de pronunciamentos públicos patéticos, é explícito que as medidas anunciadas são paliativas já que a gestão entreguista da Petrobras adotou uma política de transferência compulsória e imediata dos aumentos internacionais para o mercado interno e de maximização dos preços dos derivados. O objetivo final é de remunerar os acionistas e colocar a empresa na vitrine das privatizações.”

Hoje (28), o Sindicato dos Trabalhadores da indústria do Petróleo de Pernambuco e da Paraíba (SINDIPETRO PE/PB) realiza uma dia nacional de lutas em apoio á greve dos caminhoneiros que resistem ao acordo anunciado por Michel Temer nesse domingo (27). O ato acontece na Refinaria Abreu e Lima, na cidade de Ipojuca, na região metropolitana do Recife.

Edição: Monyse Ravenna