Disputa

Iván Duque e Gustavo Petro vão para 2º turno das eleições presidenciais na Colômbia

Duque conquistou 39,14% dos votos, 14 pontos percentuais a mais do que Petro, que obteve 25,09%

Na disputa do segundo turno estão Ivan Duque e Gustavo Petro; próxima votação está marcada para 17 de junho / Reprodução

O direitista Iván Duque, candidato pelo Partido Centro Democrático, e o ex-prefeito de Bogotá, Gustavo Petro, candidato do campo progressista, participarão do segundo turno das eleições presidenciais da Colômbia realizadas neste domingo (27). Duque conquistou 39,14% dos votos, 14 pontos percentuais a mais do que Petro, que obteve 25,09%.

Foi registrado um nível de participação de 53%. O anúncio do resultado foi feito pelo órgão eleitoral oficial colombiano, a Registraduría, que realizou uma contagem rápida antes do apuração total.

A votação do segundo turno está marcada para o dia 17 de junho.

Duque e Petro

Com 41 anos, o mais novo entre todos os candidatos, Duque baseou sua campanha em críticas ao acordo de paz assinando pelo governo do presidente Juan Manuel Santos com o antigo grupo guerrilheiro FARC, hoje transformado em partido político, e promete mudanças no pacto.

O candidato do “uribismo”, escolhido pelo ex-presidente Álvaro Uribe, se apresenta como porta-voz de uma parte da sociedade colombiana que estaria insatisfeita com a o acordo alcançado com a FARC em 2016.

Ex-prefeito de Bogotá, Petro defende a continuação e o aprofundamento do acordo de paz com a FARC e sistemas totalmente públicos de saúde e educação, sem intermédio de empresas privadas.

Integrante do grupo armado Movimento 19 de Abril (M-19) durante os anos 1980, Petro iniciou sua carreira parlamentar na Câmara de Consejales as cidade de Zipaquirá, em um cargo semelhante ao de um vereador. Quando ainda estava no Partido Polo Democrático foi eleito senador, em 2006. Petro cumpriu seu mandato, se desvinculou do partido e, em 2012, chegou à prefeitura da maior cidade do país, a capital Bogotá.

A campanha das eleições presidenciais que ocorrem neste domingo foram marcadas pela polarização de projetos que refletem posições divergentes entre os candidatos, principalmente em relação ao acordo de paz com a FARC, assinado em 2016.

FARC

Em sua conta no Twitter, o presidente do partido político FARC, Rodrigo Londoño, o Timochenko, afirmou que foi "muito emocionante" participar das eleições.

"Muito emocionante exercer o direito de voto pela primeira vez, produto do caminho que decidimos construir com todos os colombianos", escreveu o líder político.

Essas são as primeira eleições presidenciais no país após o acordo de paz com o antiogo grupo armado.

Edição: Opera Mundi