Violência

Quatro líderes sociais foram assassinados na Colômbia nas últimas 24 horas

Desde a última segunda-feira (28) ao menos sete líderes sociais colombianos morreram

O assassinato e a perseguição de líderes sociais na Colômbia continuam apesar do acordo de paz / LARAZON.CO

Carlos Jimmy Prado Gallardo, Julio César Montalvo, Orlando Negre e o ex-combatente das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC - EP), Fradi Chica, foram mortos nas últimas 24 horas na Colômbia. Os líderes sociais foram assassinados em meio a perseguição que cruzam os combatentes das comunidades na Colômbia.

De acordo com o correspondente da Telesur na Colômbia, Manuel Jiménez, Carlos Jimmy Prado era delegado nacional do espaço de consulta prévia dos negros afrocolombianos no departamento de Nariño e defensor dos direitos humanos. O líder social foi morto no município de Satinga (Nariño).

A Sub Comissão de Direitos Humanos e Garantias Cumbre Agraria Campesina Étnica y Popular informou que a última vez que viram Prado foi no espaço da sessão de consulta prévia, realizada em 01/06 com o governo. Às 4 da manhã ele foi para o seu território.

Orlando Negre era o presidente do conselho de ação comunitária de Camu, localizado no nível alto do departamento de Córdoba. Jiménez também confirmou o assassinato na mesma região do líder indígena Julio César Montalvo na área do Zenú Resguardo, que era irmão de um governador indígena. Segundo correspondente da TeleSUR na Colômbia, o assassinato do ex-combatente Fradi Chica ocorreu no município de Ituango, departamento de Antioquia.

O jornalista salientou que desde segunda-feira (28/05) até hoje foram mortos pelo menos sete líderes e representantes sociais. Jiménez disse que o Estado colombiano não conseguiu impedir as mortes de combatentes, nem avançou nas investigações em meio à implementação dos pontos do acordo de paz colombiano.

*Com informações da Telesur.

Edição: Opera Mundi