TEATRO

Virada Cultural exige reabertura do Teatro do Parque

Atividade é aberta ao público e contará com atrações culturais em um arraial junino

Brasil de Fato | Recife (PE)

,
Virada Cultural acontece em prol da abertura do Teatro do Parque / Divulgação/Virada Cultural

Artistas recifenses realizam atividade cultural e política pela reabertura do centenário Teatro do Parque, no Recife, fechado desde 2010. O Arraial da Virada Cultural acontece no próximo sábado (16), a partir das 18h, no Teatro do Parque, localizado na Rua do Hospício, Centro da Cidade. 

A atividade é aberta ao público e contará com atrações culturais em um arraial junino. A proposta é dialogar com a situação do teatro, importante equipamento público cultural do Recife. Entre as atrações estarão a Quadrilha dos Artistas, com o quarteto de forró Vôte o Que é Isso. O Som na Rural também estará presente com outras atrações, como o Forró Coletivo Só Luiz, a cantora Isaar e Helder Vasconcelos, ex-integrante da banda Mestre Ambrósio. 

As ações têm como objetivo mostrar que os artistas da cidade estão acompanhando as obras previstas de construção civil e de tudo o que diz respeito ao teatro e ao seu redor, como a necessidade da manutenção da Rua do Hospício, que os artistas também denunciam estar em estado de abandono, com acúmulo de lixo, por exemplo. 

A Virada Cultural do Teatro do Parque é um movimento político que nasceu no ano de 2017 com a proposta de reforçar a necessidade do funcionamento do Teatro do Parque.

Além da atividade deste sábado, os artistas continuarão realizando atividades em prol da revitalização e abertura do Teatro do Parque todas as segundas-feiras, a partir das 17, também abertas ao público.

Teatro do Parque - O equipamento cultural movimentou a Rua do Hospício durante décadas, graças à sua programação recheada por peças e cinema com ingressos a preços acessíveis. Fundado em 24 de agosto de 1915 pelo comendador Bento Luís de Aguiar, o teatro fazia parte de um projeto inacabado de criação de um Parque de Diversões à moda portuguesa no Centro do Recife. No entanto, o prédio foi fechado em 2010.

Edição: Catarina de Angola