ELEIÇÕES MEXICANAS

Candidato de esquerda cresce nas pesquisas e lidera corrida presidencial no México

Diferença de votos entre Andrés Manuel López Obrador e Ricardo Anaya, o segundo colocado, é de 20 pontos

Brasil de Fato | Cidade do México |

Ouça o áudio:

López Obrador pode ser o primeiro presidente não filiado aos dois maiores partidos mexicanos em 90 anos
López Obrador pode ser o primeiro presidente não filiado aos dois maiores partidos mexicanos em 90 anos - Foto: Morena/Divulgação

Faltando apenas dez dias para as eleições presidenciais mexicanas, as pesquisas de intenção de voto mostram que aumentou a diferença entre o candidato progressista Andrés Manuel López Obrador, do partido Movimento Regeneração Nacional (Morena), e seu principal concorrente, Ricardo Anaya, do Partido de Ação Nacional (PAN), partido de centro-direita. Em terceiro aparece o candidato José Antonio Meade, do Partido Revolucionário Institucional (PRI),  do atual presidente Enrique Peña Nieto.

Continua após publicidade

Uma pesquisa divulgada esta semana pelo jornal El Universal mostra que López Obrador é o favorito absoluto entre os eleitores mexicanos com 50% das intenções dos votos. Em fevereiro deste ano, ele aparecia nas pesquisas com 38%. Já o candidato da direita mexicana, Anaya, conta com 28% das intenções de votos. Em fevereiro estava com 29%. Meade também caiu nas pesquisas, passando de 23% para 20%.

Continua após publicidade

Além disso, uma pesquisa qualitativa do Grupo Impacto mostra ainda que o eleitor de López Obrador não votaria em outros candidatos. A empresa foi às ruas e perguntou: “Se Andrés Manuel López Obrador não tivesse a possibilidade de ganhar a eleição, qual seria sua segunda opção?”. A maioria, 53% da população, disse que não votaria em ninguém, cerca de 21% votaria em Ricardo Anaya, 16% em Jaime Rodríguez (candidato independente) e 10% em José Antonio Meade.

Continua após publicidade

Oligarquia dividida

Continua após publicidade

A rivalidade entre os dois partidos da oligarquia, o PRI e o PAN, as duas maiores forças políticas do país, contribuiu para a redução de sua influência eleitoral. O PRI, por exemplo, chegou a governar o país por 70 anos seguidos, entre 1929 e 2000 – e, depois, novamente em 2012. Já o PAN governou o país entre 2000 e 2012, conformando uma alternância de poder de quase 90 anos. O Morena, partido recém-criado por Obrador, tem apenas três anos de existência,

Em 2006, a aliança entre o PRI e o PAN foi fundamental para derrotar López Obrador, na época candidato pelo Partido da Revolução Democrática (PRD). Mas o cenário político que permitia acordos entre setores hegemônicos da direita parece ter ficado no passado. O mal-estar entre os dois partidos chegou a tal ponto que uma das bandeira de campanha de Anaya é a promessa de investigação do atual presidente da República por suspeita de corrupção. A declaração foi feita em rede nacional, durante o horário eleitoral, e repetida dezenas de vezes na TV mexicana. “Proponho investigar o presidente Enrique Peña Nieto e, se for culpado, como qualquer pessoa, ele irá para a prisão”, disse Anaya.

O baixo índice nas pesquisas também mostra o desgaste e o descrédito popular nesses dois partidos. Apesar de contar com maior apoio do grande capital nacional e internacional, não conseguiram converter o poder midiático e econômico que possuem em votos. López Obrador assegura que os grandes grupos da mídia, a exemplo de campanhas anteriores, continuam com a “guerra suja” contra sua candidatura. “A diferença é que as pessoas já não acreditam nas mentiras”, disse recentemente Obrador.

Edição: Pedro Ribeiro Nogueira