União

“Vim dar um abraço em um querido amigo, que luta”, diz Mujica

Antes de visitar Lula, Pepe Mujica falou aos militantes na Vigília Lula Livre, em Curitiba

Brasil de Fato | Curitiba (PR)

,

Ouça a matéria:

Pepe Mujica em frente à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba / Foto: Ricardo Stuckert

O ex-presidente do Uruguai, José Pepe Mujica, veio ao Brasil na tarde desta quinta-feira (21) especialmente para visitar o amigo Luiz Inácio Lula da Silva, detido desde o dia 7 de abril.

Antes de entrar nas dependências da Superintendência da Polícia Federal, Mujica conversou com os militantes da Vigília Lula Livre e destacou que a luta nunca vai acabar. O ex-mandatário sinalizou que é preciso ter uma causa durante a vida.

“Vale a pena dedicar uma parte do milagre de estar vivo para servir à causa da igualdade sobre a terra”, ponderou. 

Após a visita, que durou cerca de 30 minutos, Mujica fez questão de recordar o legado de Lula como presidente do Brasil. “Ele tinha muito respeito pelos países pequenos da América Latina e se comportou como um irmão mais velho”, reconheceu.

O ex-presidente uruguaio comentou como foi a acolhida de Lula –com “bom ânimo, uns quilos a menos e com muitos livros”, e demonstrando grande preocupação com o futuro do país.

Questionado sobre o que pensa da situação democrática no Brasil e da prisão do ex-presidente, Mujica diz que seu maior anseio é que o povo brasileiro se adapte ao futuro para lidar com suas contradições, não perca a alegria e não caia em confrontos dolorosos.

“Quando nossos irmãos [Brasil, Argentina] pegam uma gripe, nós também ficamos resfriados”, lembrou. No entanto, Mujica acredita que o Brasil irá superar os problemas do momento atual.  

Gleisi

A senadora e presidenta do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmann, também esteve na PF nesta tarde para alinhar a pré-campanha presidencial de Lula, incluindo um manifesto que será a principal estratégia desta etapa.

“Vamos levar uma mensagem ao povo brasileiro de resgate dos direitos e esperança”, comentou. Juntos, ela e Lula definiram o calendário de atividades pelo Brasil que deve começar ainda durante a Copa do Mundo.

A principal preocupação do ex-presidente é com a área econômica do país. “Nós precisamos levar para as pessoas propostas para melhorar a vida delas, geração de emprego, aumento de renda e melhorar as condições de vida”, declarou Gleisi.

Lula manifestou receio pela aprovação da Câmara dos Deputados em permitir a transferência de 70% das áreas de cessão onerosa da Petrobrás para outras empresas.

Sobre a absolvição da senadora no processo da Lava Jato, o pré-candidato a presidente entende que é extremamente positivo para resgatar o Estado Democrático de Direito. “Ele tem boas expectativas como todos nós temos, já que os processos são semelhantes: baseado apenas em delações e sem provas”, destaca.

Edição: Diego Sartorato