Copa na Rússia

Seleção de fantasias para torcer pelo Brasil

Recife foi palco de irreverência, fé e alegria para acompanhar a primeira vitória canarinha na Copa

Brasil de Fato | Recife (PE)

,
Torcida escolheu um jeito peculiar para assistir ao jogo; "Mateus e Catirina", do Bumba Meu Boi, marcaram presença na festa / Daniel Lamir

De Reginaldo Rossi a Michael Jackson. A diversidade de fantasias marcou a imagem das cerca de 15 mil pessoas que se juntaram no pólo de transmissão montado no Bairro do Recife, na manhã desta sexta-feira (22), para assistir à vitória da seleção brasileira contra a Costa Rica. O som do apito final em São Petesburgo determinou a junção de ritmos no centro histórico da capital pernambucana, que começou com frevo e seguiu com samba e pagode ao longo da tarde. 

Um dos torcedores personalizados foi o Ferreirinha. Aos 85 anos, José Ferreira da Silva costuma assistir a todos os jogos da seleção carregado de alegorias no tradicional verde e amarelo. Vidrado no telão, Ferreirinha ficou ainda mais alegre a partir dos acréscimos do segundo tempo, quando Philippe Coutinho abriu o placar. "Sofremos muito. Mas foi muito bom. Eu estava torcendo por 1 a 0, mas 2 a 0 foi ainda mais felicidade", destacou o vivaz torcedor que mora no bairro de Boa Viagem. 

O casal Mateus e Catirina, do Bumba Meu Boi, também deu as caras para torcer pelo Brasil. Os personagens foram puxados por Riva Santos e Diogo Ricarte, que estavam afiados no improviso e na empolgação com a vitória. "É tudo um espetáculo. Está nas nossas veias, no nosso sangue, e a festa tem que ser o ano inteiro. E a folia não pode faltar nunca, principalmente quando falamos do nosso folclore", ressaltou a Catirina torcedora. 

Um dos primeiros em frente ao telão era Eduardo Silva. Apesar da proximidade, o torcedor não viu o primeiro gol do Brasil. Na tensão causada pelo placar em branco, Eduardo se abaixou para acender uma vela de Santo Antônio. Enquanto rezava, ele foi surpreendido pelos gritos do primeiro gol. "Fui acender a vela para pedir uma vitória e celebrar o casamento do povo com a seleção. A gente pode sofrer, mas no final sabemos que o povo e a seleção é um casal que está junto. Por isso, essa vela do santo padroeiro dos casamentos", revelou o morador do bairro de Rio Doce, em Olinda. 

A energia positiva também era assunto comentado pelo personagem "Garçom", de Reginaldo Rossi. Com uma bandeja na mão e fazendo embaixadinhas sob um sol escaldante, Felipe Neto, também de Olinda, ressaltou o aspecto físico dos comandados de Tite, que tiveram fôlego para manter um ritmo intenso, mesmo após os 90 minutos de bola rolando. "Acho que o segredo está nessa bandeja. A seleção ganhou porque aqui eu estou oferecendo queijo, peixe, pitu, camarão e outras coisinhas a mais que fizeram os caras correrem até o finalzinho", brincou Felipe.    

A variedade de sons foi ampla, dentre personagens como Sherk, Fuleco, Michel Jackson, passista de frevo e Homem de Ferro. Mesmo assim, a torcedora Camila Vitalina manteve o fôlego para cornetar quase que continuamente pela vitória da seleção. Camila já faz prognósticos para mais emoção. "Quero que o Brasil pegue Portugal nas próximas fases. Porque eu quero que Cristiano Ronaldo saia logo da competição. Não gosto dele", declarou. 

O próximo jogo da seleção brasileira é na quarta-feira, dia 27 de junho, contra a Sérvia. Confirmando a classificação para a fase seguinte, o Brasil deve encarar um adversário do grupo F, composto por Alemanha, México, Suécia e Coréia do Sul. 

*Fotos: Daniel Lamir

Edição: Thalles Gomes