NEYMAR

Coluna Curto e Grosso | Carta a Neymar

Você pode ter o mundo a seus pés, não jogue isso no lixo.

Belo Horizonte (MG)

,
"Espero que você use seu talento para agregar e compartilhar coisas bonitas." / Lucas Figueiredo - CBF

Neymar, muito provavelmente, você nunca lerá essas palavras. Não que eu me importe com isso, é apenas uma constatação. Mas, de todo modo, em tempos de redes sociais e cliques que nos levam a notícias muitas vezes absurdas, quem sabe você lê essa carta? Como não temos intimidade, não vou te chamar de Ney; não sou Tiago Leifert, não sou seu amigo da Rede Globo e não faço parte do seu grupo de “parças”. Prometo ser breve, haja visto que você é um rapaz bastante ocupado.

Posso dizer que te vi nascer para o futebol. E, sinto muito, preciso admitir: não te conheço pessoalmente, mas nunca gostei de você. Independentemente da idade, nós estamos sujeitos ao erro a todo momento. Entendo que a cabeça dá voltas com centenas de milhões na conta bancária e muitas coisas podem perder o significado ou o sentido. Falhamos muito na nossa caminhada, porém, Neymar, é preciso ter autocrítica, modéstia, simplicidade e, sobretudo, uma virtude chamada humildade, que, pelo que posso perceber, passa a léguas de distância de você.

Eu não me importo com o corte do seu cabelo, com quem você namora ou quantas tatuagens você fez no último verão. Eu me importo, Neymar, e me entristeço, quando você, um jogador brilhante, que pode chegar a ser um dos maiores de todos os tempos, revela uma faceta extremamente babaca, egoísta, centralizadora e mimada. Em janeiro, você poderia ter deixado o Cavani, seu companheiro de time, cobrar o pênalti e marcar o gol que daria ao uruguaio o título de maior artilheiro do Paris Saint-Germain. Mas você pegou a bola, como se dono dela fosse, e bateu a penalidade. O que o Neymar de 11 anos, que começou nas categorias de base do Santos, diria a esse Neymar multimilionário? O futebol não te ensinou nada?

E o que dizer do seu choro patético e puramente midiático após a sofrida e importante vitória diante da Costa Rica? Por que você não foi comemorar com seus companheiros de time? Por que você não foi abraçar o Philippe Coutinho, que abriu caminho para o triunfo? Por que você insiste em trazer todos os holofotes para si próprio? De que serve todo esse rancor que você despeja na cara de quem te critica? Por que, ao celebrar um gol, você manda torcida e jornalistas calarem a boca? Um jogador do seu nível atrai olhares de bilhões de pessoas e está sujeito a avaliações e julgamentos.

 Aprenda a lidar com isso. Você não é mais menino.  Não quero ser moralista nessas breves palavras. Como eu disse acima, todos estamos sujeitos a erros. E você não sabe o quanto eu já errei nesses meus 35 anos! Espero que você use seu talento para agregar e compartilhar coisas bonitas.

Você pode ter o mundo a seus pés, não jogue isso no lixo. O futebol, Neymar, é o esporte mais lindo que existe. O futebol, Neymar, não é uma simples partida de videogame ou mero entretenimento. E você já é bem grandinho para saber disso.

Sinceramente,

Edição: Wallace Oliveira