NA GERAL

Copa 2018 teve estatística oficial de assédios contra mulheres

Segundo ONG contratada pela FIFA, um terço das vítimas dos assédios eram jornalistas

Brasil de Fato | Recife (PE)

,
Laura Zago, repórter da TV CBF, foi uma das vítimas / Reprodução da internet

Na última quarta-feira (11) uma coletiva de imprensa convocada pela própria FIFA debateu casos de discriminação durante a Copa do Mundo. Uma ONG chamada Fare Network foi contratada para fazer o levantamento. A organização afirmou que durante os 30 dias de evento foram documentados 45 casos de assédio a mulheres, sendo 30 vítimas torcedoras e 15 jornalistas.

O índice é baixo, mas ao menos a ONG também reconheceu que é um “número subestimado” e que a quantidade de casos de assédio obviamente foi bem maior, mas em sua maioria não foram denunciados pelas vítimas ou flagrados por câmeras. Mas a existência de tal preocupação mostra um avanço da FIFA no sentido de garantir que o futebol esteja aberto para as mulheres torcedoras, trabalhadoras e jogadoras.

Edição: Vinícius Sobreira