Violência

Pistoleiros atiram e ateiam fogo em acampamento do MST no PA; Polícia se nega a agir

Ação ocorreu na madrugada deste sábado; a área pertence a Rafael Saldanha de Camargo, fazendeiro influente na região

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,
A área, ocupada na madrugada desta sexta (27), pertence a Rafael Saldanha de Camargo, fazendeiro influente na região. / MST

Atualizado às 11h25

O Acampamento Hugo Chávez, onde 450 famílias ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocupam a Fazenda Santa Tereza, no município de Marabá, no sudeste do Pará, foi atacado por pistoleiros na madrugada desta sábado (28).

Segundo relatos das famílias que estão no local, por volta da uma da manhã os pistoleiros chegaram atirando e tocando fogo nos pertences e carros que estavam no acampamento. Algumas pessoas também foram agredidas fisicamente, mas até o momento não há informação de nenhum ferido em estado grave. Ao todo, segundo informações do MST, os jagunços queimaram 9 carros e 10 motos.

De acordo com Maria Raimunda, da direção estadual do MST e que está à caminho da área, o movimento procurou a Delegacia de Conflitos Agrários (DECA) de Marabá para denunciar e intervir no conflito. "Eles disseram que havia ordem de comando superior de que não poderiam agir, mesmo que houvesse uma carnificina", conta Raimunda. Há suspeitas de que policiais também tenham participado da ação.

O Brasil de Fato entrou em contato com a Polícia Civil do Pará, mas até o momento não obteve nenhuma resposta.

Acirramento

Para Maria Raimunda, a ação dos fazendeiros na região tem se intensificado no último período, principalmente após o golpe contra a ex-presidenta Dilma Rousseff, em 2016. "Faz 15 dias que o [Jair] Bolsonaro (pré-candidato à presidência da República pelo PSC) esteve na curva do 'S'. Durante o palanque ele incentivou que os fazendeiros matassem os sem-terra", relata Raimunda.

A curva do 'S' é o local onde ocorreu o Massacre de Eldorado dos Carajás, na BR-155, quando 21 pessoas ligadas ao MST foi brutalmente assassinada pela Polícia Federal, em 1996.

"O que já era de certa maneira permitido, mas de modo camuflado, agora está sendo publicamente legitimado inclusive por pré-candidatos à presidência. Bolsonaro deu a ordem de matar publicamente. Estamos vendo um acirramento da luta e principalmente da violência na região", comenta a sem-terra.  

Contexto

A Fazenda Santa Tereza foi reocupada na madrugada desta sexta-feira (27) por 450 famílias ligadas ao MST. De acordo com o movimento, a fazenda foi grilada (registrada de forma fraudulenta) pelo latifundiário Rafael Saldanha de Camargo, fazendeiro influente na região e um dos suspeitos, segundo o Ministério Público, pelo assassinato dos líderes sem-terra Doutor e Fusquinha, há mais de 20 anos.

A fazenda Santa Tereza foi ocupado em junho de 2014. Ainda segundo o MST, a fazenda é, na verdade, uma área pública e Rafael também é acusado de cometer crimes ambientais. Apesar disso, as famílias dos sem terra foram despejadas em dezembro de 2017 pela vara agrária de Marabá.

Edição: Luiz Felipe Albuquerque