OPINIÃO

Editorial | Crimes de lesa-pátria

Nosso futuro e das futuras gerações estão em jogo

Brasil de Fato | Belo Horizonte (MG)

,
Agência Brasil/ / Marcelo Camargo

Crime de lesa-pátria é a prática de causar prejuízo a um país inteiro, atingindo sobretudo a soberania nacional. O golpe do impeachment de 2016 foi perpetrado por um conluio antinacional envolvendo o Congresso Nacional, a operação Lava Jato e os veículos de comunicação comerciais. O golpe, que segue em curso, é um crime de lesa-pátria, principalmente porque seu programa econômico favorece os interesses do capital internacional, sobretudo dos Estados Unidos, em detrimento dos interesses do povo brasileiro. 

As privatizações e o fim da política de conteúdo nacional na exploração do pré-sal transferiu os lucros - que se destinariam à educação e saúde - para as grandes petroleiras como a Shell e Statoil. A nova política de preços assumida pela Petrobras favorece a importação de petróleo refinado, eleva os valores do gás de cozinha, gasolina e diesel. É também um crime de lesa-pátria.

A venda da Embraer à Boeing gerará uma destruição da indústria aeronáutica brasileira. A divisão seria de 80% para a Boeing e 20% para Embraer. Transferência de tecnologia brasileira, além de fragilização de um setor tão importante à defesa nacional. É mais um crime lesa-pátria.

Crise é dos riscos, os pobres é que pagam

Em meio à crise econômica, os bancos estrangeiros obtêm lucros extraordinários no Brasil. A exemplo do Itaú, Bradesco e Santander, que vêm obtendo supervalorizações. É outro exemplo de crime de lesa-pátria.

A bancada ruralista tem se esforçado para aprovação do projeto de lei dos Agrotóxicos. O PL flexibiliza o uso de mais venenos. Em 2015, o setor de agroquímicos faturou, somente no Brasil, cerca de US$ 9,6 bilhões. Todo este lucro concentra-se em seis grandes transnacionais do agronegócio: Monsanto, Syngenta, Bayer, Dupont, DowAgroscience e Basf. Este setor é isentado, em média, entre 70% a 100% de tributos. Outro verdadeiro crime de lesa-pátria. 

Privatização da Eletrobrás, a estrangeirização das terras brasileiras, a privatização das águas e do minério brasileiros. Todos são crimes de lesa-pátria.

A prisão de Lula com o objetivo de retirá-lo das eleições presidenciais deste ano tem por objetivo perpetuar esses crimes e solapar de vez a soberania popular. Retirar Lula das eleições tem o objetivo de impedir que o povo brasileiro interrompa a entrega do país aos interesses econômicos internacionais. Eis a batalha política mais decisiva neste momento. 

Os interesses do povo brasileiro estão em jogo, e para defendê-los, é preciso pressionar as forças golpistas. Para isso, as centrais sindicais e a Frente Brasil Popular estão chamando todos às ruas no dia 10 de agosto, em todo o Brasil. E,no dia 15, realizarão um grande ato em Brasília em frente ao Tribunal Superior Eleitoral. Não fique fora dessa, é o seu futuro e das futuras gerações que está em jogo. 

Edição: Joana Tavares