STF

Lula abre mão de pedir a liberdade pelo compromisso com o país, diz Haddad

Haddad e Gleisi visitaram o ex-presidente e declararam ir até as últimas consequências pela candidatura de Lula

Brasil de Fato | Curitiba (PR)

,
Haddad é o candidato a vice e será o porta-voz de Lula onde ele estiver impossibilitado de estar / Ricardo Stuckert/Instituto Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu a visita da senadora e presidenta do PT, Gleisi Hoffmann e  Fernando Haddad, indicado para o cargo de vice-presidente de Lula na chapa que irá disputar a eleição presidencial em outubro.

Durante coletiva de imprensa, na tarde desta terça-feira, dia 6, eles falaram sobre a satisfação de Lula com as coligações articuladas pela presidência do partido e também da decisão da retirada da medida cautelar que pedia a liberdade do ex-presidente junto ao STF.

“Ele abre mão de pedir a liberdade pelo compromisso com o país, com o povo brasileiro e com sua dignidade. Ele tem um compromisso com o Brasil, por isso é candidato e por isso vai até as últimas consequências com esse propósito. Nossa campanha é uma campanha de posicionamento, de lado. Nosso lado é o povo.”, afirma a presidenta do Partido dos Trabalhadores.

Haddad explica que, neste pedido de liberdade ficou implícito via declarações que o expediente do pedido seria usado para julgar sua elegibilidade, o que não constava do pedido. “Então, para não correr risco, e o Lula sempre deixou claro que não troca a dignidade pela liberdade, ele está retirando esse pedido hoje. ”, explica o ex-prefeito. Gleisi completa: “Ele não aceita a chicana feita em razão desse recurso de se levar ao pleno do supremo a antecipação desse pedido de retirar sua candidatura.”.

Haddad, Manuela e Lula

Haddad é o candidato a vice e será o porta-voz de Lula onde ele estiver impossibilitado de estar, juntamente com Manuela D’Ávila, deputada federal do PCdoB, que desistiu de concorrer à Presidência para compor a chapa com o PT.

Gleisi afirma, porém, que ainda não se esgotaram os recursos para que o ex-presidente participe dos debates e sabatinas com os presidenciáveis. “Ele é candidato, tem direito de participar das sabatinas, de dar entrevistas como candidato e nós estamos recorrendo. Aliás, entramos com recurso hoje no TRF4 para ele participar do debate da Bandeirantes.”, explica a senadora.

Sobre Manuela D’Ávila, Haddad considera que ela seja uma parceira valiosa na campanha, por ter construído um capital político interessante e progressista, que tem a possibilidade de agregar à campanha da chapa de Lula. “A partir de amanhã [Manuela] estará conosco o tempo todo. Vamos viajar pelo país anunciando o plano de governo, preservando esse capital político maravilhoso que ela acumulou. O fato de ela estar conosco só contribui”, afirma o ex-prefeito, aparentemente satisfeito. 

Ao final da coletiva, o vice de Lula declara que, mesmo que não tenha sido possível a construção de uma chapa única que represente o campo progressista contra as candidaturas que representam a continuidade do governo Temer – caso das chapas de Meirelles e Alckmin – estes campos podem se unir no segundo turno e também no governo. “Temos o objetivo comum de derrotar esse projeto que está desconstruindo o país. Nós temos consciência de que esse projeto não pode continuar, tem que dar lugar a um projeto legítimo saído das urnas, que dialogue com os anseios populares e nacionais. ”, coloca Haddad.

Edição: Juca Guimarães