CRISE

Enfraquecimento da indústria nacional tem relação com desmonte da Petrobras

Concessões que governo vem fazendo a capital estrangeiro não solucionam problema, afirmam analistas

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ)

,
Sem desmonte, cadeia produtiva da Petrobras gera mais de 800 mil empregos / Alaor Filho / Mirá Imagem

O processo de desindustrialização, o desaquecimento da economia e o aumento do desemprego no Brasil nos últimos dois anos, com o país sob a gestão de Michel Temer, têm relação direta com o desmonte da Petrobras. No estado do Rio de Janeiro, que é fortemente dependente da exploração de óleo e gás, sobretudo na região da Bacia de Campos, no Norte Fluminense, a situação tende a ser ainda mais grave. 

As recentes concessões que o governo vem fazendo ao capital estrangeiro não dão sinais de que serão a solução para o país. Muito pelo contrário, diversos analistas afirmam que a chamada MP do Trilhão, que libera empresas estrangeiras do setor de pagarem impostos aos cofres públicos, e a recém-aprovada medida que atinge a soberania nacional, ao tirar da Petrobras o monopólio de exploração do pré-sal, vão piorar as condições da população. 

Para o presidente do Clube de Engenharia, Pedro Celestino, além de não gerar empregos na ordem de grandeza da Petrobras, a entrada de empresas estrangeiras no setor também concretiza os objetivos do governo Temer de entregar as riquezas naturais do país “a preço de banana”. Segundo Celestino, esse movimento poderá levar o Brasil a um barril de pólvora: 

“Temos um exemplo no outro lado do Atlântico, que é a Nigéria. A Nigéria é um país de grande produção e exportação de petróleo bruto, mas não tem uma empresa de petróleo com as características da Petrobras. Resultado: a Nigéria é um barril de pólvora, e o Brasil caminha para uma explosão social se não tiver um projeto de desenvolvimento que dê ao seu povo a expectativa de dias melhores”, alerta. 

A atual situação da Nigéria é bastante semelhante ao que foi o Brasil até os anos 1930 e o marco dessa mudança situa-se nos governos de Getúlio Vargas e a partir de 1950. Até então, o país era mero exportador de matérias-primas, como açúcar, ouro, café, cacau, borracha e pau-brasil. Até esse período, o Brasil importava itens básicos, como telhas e vasos sanitários, tal era a insignificância da indústria de bens básicos. 

De um arquipélago de cidades de litoral, o Brasil passou por uma integração econômica e social a partir da construção de Brasília. De dependente de aço, de energia elétrica que não tínhamos e de petróleo, o país ganhou uma indústria siderúrgica robusta, o maior parque hidrelétrico do mundo e a Petrobras, uma das maiores petroleiras do planeta e que é responsável por uma cadeia produtiva de mais de 5 mil empresas nacionais e estrangeiras que geram 800 mil empregos. 

Reverter o cenário de depressão econômica que gera desemprego e miséria depende da soberania das estatais, com ênfase na Petrobras, afirma o presidente do Clube de Engenharia. “A Petrobras está sendo desfolhada. Não a privatizam, vendem por partes, fatiam e dentro de pouco tempo ela será uma pequena produtora e exportadora de petróleo bruto e nós voltaremos à condição de antes de 1950. Isso é que precisa parar”, defende.

Edição: Mariana Pitasse