Disputa

Minas Gerais tem nove candidatos a governador

Segundo turno deve ficar entre Pimentel (PT) e Anastasia (PSDB)

Brasil de Fato | Belo Horizonte (MG)

,

Ouça a matéria:

Cidade Administrativa, em Belo Horizonte / Foto: Reprodução

Nosso estado terá uma eleição disputada. Na quarta, 15 de agosto, foi o último dia para que os partidos registrassem seus candidatos à presidência, aos governos estaduais, senadores, deputados federais e estaduais. Foram registrados nove candidatos ao governo de Minas (veja lista completa ao lado), entre eles apenas uma mulher.

Apesar do grande número de candidaturas, a última pesquisa de intenção de votos mostra que 45% dos eleitores deverão ficar entre Antonio Anastasia (PSDB), Fernando Pimentel (PT) e Marcio Lacerda (PSB). Os votos brancos ou nulos são 28% e os indecisos são 20%. A pesquisa é da Confederação Nacional dos Transportes, de 31 de julho.

Análise

O coordenador do Núcleo de Estudos Sócio Políticos (NESP), Robson Sávio, analisa que diversos candidatos a governador pretendem tirar vantagens do sentimento antipartidário dos eleitores, por isso se descolam dos partidos e das alianças tradicionais para tentar a sorte. “Essa aposta deu certo em alguns lugares nas eleições de 2016, como em BH”, relata. 

Mesmo assim, a disputa deve ficar entre PT e PSDB novamente, opina Robson Sávio. “A tendência da polarização é entre os dois partidos mais fortes e bem estruturados. A campanha eleitoral, que começa agora, vai ser curtíssima e é muito difícil reverter intenções de votos para o primeiro turno”. A única carta que bagunça o baralho seria Marcio Lacerda, na opinião do pesquisador, que tira votos de ambos os candidatos.

Conheça os dois candidatos com maior intenção de votos

Fernando Pimentel


Atual governador de Minas, Fernando Pimentel é economista e filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT). Sua vida política começou na ditadura militar, quando foi um dos combatentes pela democracia. De 2001 a 2009 foi prefeito de Belo Horizonte e também ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, durante o governo Dilma. Em seu governo, foi aprovado o pagamento do piso salarial aos professores, a ideia de fóruns regionais para ouvir a população e mais investimento na agricultura familiar e no meio rural. No entanto, também ficou marcado pelo atraso e parcelamento do pagamento aos servidores. Atualmente seu governo está com aprovação de 25% dos eleitores mineiros. 

Antonio Anastasia

O candidato do Partido Social Democrata Brasileiro (PSDB) é professor e ex-governador de Minas. Anastasia foi ministro nos governos de Fernando Henrique Cardoso e é atualmente senador. Ele fez a coordenação do “Choque de Gestão” de Aécio Neves. Foi muito criticado pelo aumento da criminalidade, da dívida do estado, pelo não pagamento do piso salarial aos professores e pela diminuição do PIB de Minas Gerais. Os governos de Anastasia e de Aécio foram denunciados pelo MPF por não investirem o mínimo constitucional em saúde. Agora, Anastasia defende um “novo Pacto Federativo” entre governo federal e governos dos estados. Foi relator do impeachment de Dilma Rousseff.

Candidatos ao governo de Minas

PSDB - 
Antonio Anastasia (Coligação Reconstruir Minas - PSDB, PSD, Solidariedade, PTB, PPS, PMN, PSC, DEM, PP, PTC, Patriotas e PMB)

PT - Fernando Pimentel (Coligação Do Lado do Povo - PT, PC do B, PSB, DC e PR)

PSB - Marcio Lacerda (Coligação #MinasTemJeito - PSB, PDT, Podemos, MDB, PROS, PRB e PV)

PCO - Alexandre Flach

Avante - Claudiney Dulim

PSOL - Dirlene Marques (Coligação Frente Minas Socialista - PSOL e PCB)

Rede - João Batista Mares Guia

PSTU - Jordano Metalúrgico

Novo - Romeu Zema

Candidatura de Lacerda ainda é incerta

O Partido Socialista Brasileiro (PSB), em nível nacional, declarou apoio ao Partido dos Trabalhadores (PT). Em Minas o apoio seria a Fernando Pimentel (PT). No entanto, integrantes do PSB de Minas não concordaram e decidiram que Marcio Lacerda seria o candidato do partido ao governo de Minas.

A disputa foi parar no Tribunal Superior Eleitoral e a decisão tem sido adiada. Por enquanto, o PSB mantém as duas chapas e Marcio Lacerda tem direito à campanha eleitoral.







 

Edição: Joana Tavares