ASTROS

Ouvir Estrelas | Retorno de Saturno

A cada 28 ou 29 anos, Saturno completa um ciclo astrológico. Isto é, retorna ao mesmo ponto no céu visto da Terra

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ)

,

Ouça a matéria:

Cada ciclo tem suas estruturas e os trânsitos de Saturno marcam os momentos de reestruturação da vida / Reprodução

A cada 28 ou 29 anos, Saturno completa um ciclo astrológico. Isto é, retorna ao mesmo ponto no céu visto da Terra. Todos nós, por volta dos 29 anos, vivemos o retorno de Saturno.

Por exemplo, no momento, Saturno está entre os graus 3 e 9 de Capricórnio. A última vez que ele esteve nesta posição foi entre dezembro de 1988 e dezembro de 1989. Isso significa que quem nasceu naquele período, está vivendo, agora, o retorno de Saturno.

Saturno é o nome latino do deus grego Cronos, o senhor do tempo. Ele representa o ponteiro do relógio que marca os ciclos da vida. Cada ciclo tem suas estruturas e os trânsitos de Saturno marcam os momentos de reestruturação da vida. Saturno nos lembra que a vida é movimento e nos ensina isso através da saturação.

Tudo o que neste período provocar esse sentimento de “não aguento mais!”, precisa ser reestruturado. Só que muita gente, aos 29 anos acha que já construiu a estrutura para a vida toda. Se nos apegarmos a isso, o retorno de Saturno pode trazer muito sofrimento, como a sensação de vazio e um sentimento de que a vida perdeu o sentido. Na verdade, ela está mudando de sentido. E o novo sentido pode pedir novas estruturas.

No retorno dos 58 anos é hora de rever as estruturas mentais. Mas também é uma oportunidade para se desfazer de vez das estruturas velhas que não tivemos coragem de largar antes. Muita gente acha que já está velha pra mudar. Ao contrário, aos 58 anos temos a maturidade a nosso favor. Podemos refazer caminhos, mudar o jeito de caminhar, enfrentar os padrões que nos aprisionam e começar vida nova e mais satifatória.

O terceiro retorno de Saturno, depois dos 70 anos, não é tão intenso. A vida material já é uma rotina de pouca importância. Aprendemos que só os afetos dão sentido à existência.

Edição: Brasil De Fato RJ