LGBT+

Na Paraíba, novo Centro de enfrentamento a LGBTfobia homenageia militante

Centro Estadual de Referência levará o nome de Luciano Bezerra, histórico militante falecido no fim do ano passado

Campina Grande (PB)

,
Movimento LGBT ganha mais um espaço na luta por direitos / Sábia Cássia

Luciano Bezerra foi homenageado com o nome do Centro Estadual dos Direitos LGBT e enfrentamento à LGBTfobia de Campina Grande,  inaugurado pelo Governo da Paraíba, por meio da Secretaria de Estado da Mulher e da Diversidade Humana, na última quarta-feira. A homenagem ao militante Luciano Bezerra é um reconhecimento do grande lutador em defesa dos Direitos LGBT, das lutas populares e em defesa dos direitos humanos. Luciano foi uma liderança de referência nacional e fundador do movimento LGBT na Paraíba, além de ter presidido por vários anos o Movimento do Espírito Lilás (MEL). Quando faleceu, em dezembro de 2017, era coordenador do Conselho LGBT de João Pessoa e 2º suplente da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transsexuais (ABGLT).



Na ocasião da cerimônia de entrega do Espaço, o Governador Ricardo Coutinho destacou que Luciano era um cidadão do mundo. “Um incansável companheiro, um militante muito presente em todas as causas, em todas as lutas da sociedade”. E completou ao falar da luta LGBT: “ela tem função de fazer com que a sociedade seja mais saudável, e nesse sentido eu acho que Luciano cumpriu um belíssimo papel na sua passagem por aqui nessa terra e, tenho certeza, que estimulou muita gente a também a assumir esse papel”.

O Espaço LGBT Luciano Bezerra, funcionará de segunda a sexta em horário comercial. Segundo a secretária Gilberta Santos, será realizado o atendimento psicossocial e jurídico a população LGBTs como queixas e com denúncias de violação de direitos, relacionadas com a discriminação, o preconceito e a LGBTfobia. Além disto, o acompanhamento a mulheres e homens trans que estão em processo de trânsito na identidade de gênero, com acolhimento e encaminhamento para o Ambulatório TT (Ambulatório de Saúde Integral de Travestis e Transexuais). Assim como contribuir para a reeducação na mudança de nome civil, fazendo um serviço de assessoria ao processo de entrada e acompanhamento dos cartórios.

Militantes de todo o Estado estiveram presente no ato de inauguração

“Além do enfrentamento a LGBTfobia por meio do atendimento social e psicológico, como também no aspecto jurídico para encaminhamento a delegacias e acompanhamento das denúncias. A gente também faz a escuta, o atendimento psicossocial em relação a vivencia no processo de transito da identidade de gênero e mesmo de pessoas que as vezes não quer denunciar mas precisa de um apoio para enfrentar os preconceitos e conflitos relacionados a família e ao trabalho”, explica Gilberta.   



O atendimento jurídico acompanha processos de violação de direitos de LGBT, na área do direito penal, civil, previdenciário e trabalhista, com casos de adoção por LGBT, divisão de bens, acesso a benefícios previdenciários, bem como acompanha o casamento civil ou união estável entre pessoas do mesmo sexo.

Para Herry Charriery, coordenador do Espaço LGBT Luciano Bezerra, o trabalho inovador que o Centro de Campina Grande apresenta é a figura do Agente de Desenvolvimento Humano. Este profissional que integra a equipe terá o papel de buscar os sujeitos LGBT nos locais onde vivem, trabalham e se divertem. “Então será um profissional, principalmente assistentes sociais, que vai até a comunidade, a praça, a rua, a feira, as casas noturnas e bares, onde tem a população LGBT e vai ouvir, conhecer as suas demandas e convidá-la para vir conhecer este espaço”.



As diversas representações do Movimento LGBT ressaltaram a importância dessa conquista e destacaram o significado da homenagem ao grande lutador em defesa dos direitos LGBT, Luciano Bezerra Vieira. “Esse Centro de Referência foi muito esperado e é uma grande conquista para o movimento LGBT. Também ficamos felizes pela homenagem feita a Luciano Bezerra, que era um precursor do movimento aqui em Campina Grande e foi uma referência nacional. Ele foi um exemplo de militante social”, ressaltou a representante do movimento LGBT, Carolina Carolino de Jesus.



 

Edição: Homero Baco