PLEITO ELEITORAL

A eleição mais perigosa do século

Milhões de brasileiros serão chamados a transformar sua história através do voto nos níveis nacional e estadual

Brasil de Fato | Porto Alegre (RS)

,
Lula, o líder em todas as pesquisas está preso numa cela em Curitiba / Foto: Ricardo Stuckert

Essa eleição será estranha porque o seu principal personagem e o líder de todas as pesquisas está preso numa cela de Curitiba. Perigosa porque a mesma maioria do eleitorado que apoia Lula - composta por pequenos assalariados, agricultores familiares, trabalhadores informais, estudantes pobres, moradores da periferia - corre o risco de perder direitos conquistados há décadas. É o que já está ocorrendo agora.

Candidatos do campo conservador, como Geraldo Alckmin, que tem 40% do horário eleitoral, prometem, por exemplo, extinguir o Ministério do Trabalho, Jair Bolsonaro ataca o regime de cotas e ambos defendem as reformas de Michel Temer e as privatizações. A vitória de qualquer um deles significará o prosseguimento da agenda do golpe e mais perdas para o mundo do trabalho.

“É preciso conversar com o povo, esclarecer”, propõe o jornalista e profissional de marketing político, Paulo Cézar da Rosa.  Mas ele tem uma visão otimista da cena política. "As pesquisas têm mostrado que os setores de menor renda estão compreendendo o que está acontecendo. E nos de maior renda, muitos que apoiaram o golpe, já estão se dando conta de que foram enganados”, avalia. E prossegue: “Começam a perceber que existem dois projetos de Brasil e que é preciso ver de que lado está o candidato. Não é uma tarefa simples, mas precisa ser feita”.

Trabalhismo x conservadorismo

Para Rosa, o pleito de 2018 não pode ser entendido como “normal”. Mesmo assim, sustenta que, no plano federal, algo se manterá inalterável: a velha polarização entre PT e PSDB. É o que também assinala o cientista político Benedito Tadeu César. “Vai se repetir aquilo que já acontecia no passado, quando se confrontavam o trabalhismo de Getúlio-Jango-Brizola e o conservadorismo de Carlos Lacerda e da UDN”. A partir de 1989, o trabalhismo passou a ser encarnado pelo PT e seus aliados, inclusive o PDT, enquanto a dupla PSDB & DEM incorporou o lacerdismo. De um lado, a proposta de desenvolvimento autônomo; do outro, o neoliberalismo dependente.

Tanto César quanto Rosa não acreditam no fôlego de Jair Bolsonaro. “Vai estacionar, talvez cair”, diz César. Nos últimos dias, Rosa percebeu um fenômeno: “Vi Lula crescendo e a direita com medo de que qualquer candidato que venha a substituí-lo ganhe a eleição. Por isso este movimento de reforço do Alckmin e esvaziamento do Bolsonaro”.

César enfatiza que, apesar da candidatura de Henrique Meirelles, do MDB, gestada para defender o governo federal, Alckmin não conseguirá se descolar de Temer e seu governo, o mais impopular da história do país. “Além disso, nunca ninguém se elegeu presidente com uma plataforma de privatização e de retirada de direitos. O próprio FHC, quando candidato, nunca disse que ia privatizar”, repara.

Ao citar Alckmin, Rosa trata-o como “uma operação internacional”. Tais ações - argumenta - são do tipo “jurídico-político-midiáticas” e com os Estados Unidos sempre por trás. “O  lavajatismo - continua -  insere-se nisso. É uma operação de guerra não convencional -  híbrida - infinitamente mais barata do que aquela do Oriente Médio. Após a primeira fase, necessitam proteger o processo através de ‘novos políticos’ alinhados com a agenda”. É onde entra o candidato tucano.  “O PSDB e não o MDB, como alguns pensam, é o partido do golpe. O Alckmin agora vai entrar de “chefe das operações”, dizendo que o gerente que eles botaram - o Temer - não deu conta do recado”, acredita. “E, aqui no Rio Grande, o Eduardo Leite vai dizer a mesma coisa do Sartori”, prevê.

Disputa no Rio Grande do Sul

César considera a disputa gaúcha mais nebulosa do que a nacional. Salienta que o fato de José Ivo Sartori controlar a máquina governamental, ter bastante visibilidade e do MDB estar presente em todos os municípios pode favorecê-lo numa campanha curta. Aliás, o tempo escasso para afirmar novos candidatos deve beneficiar as figuras mais conhecidas. No passado, os gaúchos apostaram na novidade, o que aconteceu com Germano Rigotto em 2002 e mesmo Sartori em 2014. “Agora, o Eduardo Leite vai tentar ocupar este lugar do ‘novo’, mas terá inúmeros problemas para fazer isso…”, entende Rosa.   

Após o linchamento midiático da classe política, há um grande temor do avanço da abstenção em 2018. “Vamos ter muita abstenção e votos brancos e nulos”, admite Rosa. Mas acha que, para a esquerda, o pior já passou. “Em 2016, o eleitor de esquerda não foi votar e o PT perdeu sete milhões de votos. Não perdeu para outros partidos, mas para a abstenção, a desilusão. De lá para cá, muita coisa mudou. Agora serão os eleitores da direita e da centro-direita que terão dificuldade”, imagina.

Olho vivo, eleitor!

Com 35 partidos legalizados, o Brasil complica e muito a vida dos eleitores.  Além dessa sopa de letrinhas, é preciso escolher entre milhares de candidatos a deputado federal e estadual, senador, governador e presidente. Não é fácil, ainda mais quando nem tudo é o que parece ser. O novo pode representar o velho e aquilo que se apresenta como avançado pode ser muito mais atrasado do que se pensa.

Na hora do voto, é preciso atentar, por exemplo, para duas armadilhas: o candidato que vive trocando de partido e o partido que troca de nome. No primeiro caso, a responsabilidade é da legislação eleitoral. Tolerante com a infidelidade partidária, permite que o eleito carregue seu mandato para outra agremiação e desta para uma terceira sem maiores problemas, desconsiderando sigla e eleitor.

No caso dos partidos, o exemplo mais emblemático é o do PP, o Partido Progressista que, apesar da denominação, pertence ao campo conservador.  Já foi Arena, mudou para PDS, virou PPR, depois PPB e converteu-se em PP. Enquanto Arena, foi quem sustentou a ditadura de 1964.

Geralmente, a mudança se dá pelo desgaste do nome anterior. Funciona assim: filme queimado, nome trocado. Filho também da Arena e irmão gêmeo do PP, o DEM antes era PFL. Apesar de batizado como “Democratas”,  se formou na base civil da ditadura quando era Arena.

O Patriota, nanico que tem candidato à presidência, é o mesmo PEN, o antigo Partido Ecológico Nacional. Mudou sua graça para abrigar Jair Bolsonaro. Abandonou também a causa ambiental e adotou as bandeiras anti-aborto, pela liberação de armas de fogo e pela redução da maioridade penal. Mas Bolsonaro não veio.

Se o PEN mudou para Patriota, o PTN transformou-se em Podemos. De novo, o nome mais esconde do que revela. A inspiração veio do Podemos espanhol, sigla de esquerda. Mas o Podemos brasileiro coloca-se à direita do jogo político. Seu candidato à presidência é o senador Álvaro Dias, ex-PSDB. No Rio, sua cara é a do ex-jogador Romário. Um e outro votaram pelo impeachment de Dilma Rousseff. Ambos, portanto, são responsáveis pela situação atual do país.

Também o PMDB alterou o nome.  Sob Temer e após o golpe que ajudou a desfechar em 2016, tornou-se novamente MDB, nome que recebeu como uma das duas agremiações políticas consentidas pelo regime militar, quando era proibido usar o termo “partido”.

Estreando nas eleições presidenciais, o Partido Novo é, na verdade, um representante do velho liberalismo do século 19. Afirma-se como “de direita” e contra as cotas nas universidades. Defende a privatização da Petrobras e do Banco do Brasil e a “flexibilização” do porte de armas de fogo.  

Dos 35 partidos que vão disputar a preferência dos brasileiros, o mais jovem é outra evidência de como as aparências podem enganar. O PMB, Partido da Mulher Brasileira, teve uma bancada de 20 deputados federais. Nela, havia apenas duas mulheres. Afirma-se como antifeminista e anti-aborto. A sigla das mulheres chegou a lançar candidatura ao governo gaúcho em 2018, mas desistiu. Concorreria com um homem…

Mulheres são maioria no eleitorado, mas pouco mais de 10% no Congresso

As mulheres são maioria entre os eleitores brasileiros, somando 77.337.918 cidadãs aptas a votar, o que significa 52,5% do eleitorado. No entanto, a representação feminina é pouco superior a 10% das cadeiras do Congresso. Os homens são 69.901.035, ou seja, 47,5% do total. Mas ocupam mais de 90% das vagas do Senado e da Câmara de Deputados. Os dados são do TSE, o Tribunal Superior Eleitoral.

A diferença a favor das mulheres é de 7.436.883, número superior à soma de todo o eleitorado de nove capitais, a saber Belo Horizonte, Salvador, Curitiba, Florianópólis, Aracaju, Teresina, João Pessoa, Palmas e Maceió.

O maior contingente de mulheres está situado na faixa entre 45 e 59 anos. São 18,7 milhões. Logo depois, vem a faixa entre 25 e 34 anos com 16,1 milhões, seguindo-se as eleitoras com idade entre 35 e 44 anos, com 15,8 milhões. O eleitorado masculino também é mais concentrado nessas três faixas.

Quase quatro milhões e meio de eleitores votarão pela primeira vez nas eleições do dia 7 de outubro, quando serão eleitos, além dos cargos de presidente e vice-presidente da República, deputados federais, estaduais ou distritais, dois senadores por estado e os governadores dos 26 estados, mais o Distrito Federal. Houve um crescimento de 3,14% em comparação às eleições de 2014.

Nos segmentos sem obrigação de votar, a faixa de 16 a 18 anos registrou queda de 14,5% do eleitorado na comparação com 2014. Entre os eleitores acima de 70 anos, ao contrário, ocorreu um aumento de 11,1% em relação às eleições presidenciais anteriores. Hoje, representam um contingente de 12,1 milhões de cidadãos aptos a votar.

A maior parte do eleitorado possui ensino fundamental incompleto. Representam 25,8% dos eleitores. Ou seja, 38 milhões de cidadãos. Outros 33,6 milhões, ou 22,7%, concluíram o ensino médio. Com ensino superior são 13,5 milhões ou 9,1%. E seis milhões de eleitores – 4,4% – são analfabetos.

Uma inovação de 2018 refere-se à condição dos transexuais e travestis. Pela primeira vez, eles poderão usar o nome social para a identificação no processo eleitoral. A norma foi aprovada pelo TSE no dia 1º de março deste ano e, desde então, 6.280 pessoas fizeram a escolha de se registrarem ou atualizarem seus dados para ter acesso a esse direito.

Edição: Marcelo Ferreira