GEOPOLÍTICA

Ex-primeiro ministro francês: “O mundo precisa de um Brasil forte e democrático”

Dominique de Villepin abre seminário em São Paulo e demonstra preocupação com o avanço de movimentos de extrema-direita

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,
Villepin elogiou papel histórico da diplomacia brasileira na promoção da paz e da democracia no mundo / Georges Seguin (Okki) via Wikimedia Commons

“A primeira convicção que temos é que o mundo precisa, mais do que nunca, da democracia brasileira”, anunciou o ex-primeiro ministro da França, Dominique de Villepin, durante a coletiva de imprensa que abriu o seminário Ameaças à Democracia e a Ordem Multipolar, nesta sexta-feira (14), no Grand Mercure Hotel, em São Paulo.

O político francês, que ficou conhecido por sua oposição à guerra do Iraque, é um dos idealizadores do seminário, que começou a ser arquitetado durante uma conversa com o diplomata brasileiro Celso Amorim há dois meses, na França.

“O mundo passa por três grandes transformações geopolíticas. A primeira é a passagem de uma ordem unipolar para uma multipolar; a segunda, o crescimento do populismo conservador e de ideologias supremacistas; a terceira, o aumento da desigualdade, tanto entre países como dentro deles”, analisa Villepin.

O ex-primeiro ministro ressalta que o mundo precisa do Brasil como “grande ator democrático e defensor ardente do multilaterilismo”, vocação que vêm sendo afirmada desde a redemocratização e que foi radicalizada nos dois mandatos de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como presidente.

“O Brasil se afirmou por uma democracia ativa e influente, que se opôs à guerras e também soube dialogar com países emergentes. Precisamos dessa capacidade de influenciar o crescimento. Os anos de Lula foram decisivos em matéria de educação, saúde, reformas e desenvolvimento. Uma nação mais forte depende da aceitação da diversidade como força, como criadora de unidade nacional”, sugere.

Questionado sobre o veto à candidatura de Lula, Villepin disse que não tem vocação para interferir na vida política do Brasil, mas observou a relevância da decisão da Comissão de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a preservação dos direitos políticos do ex-presidente.

“Lula tem uma porcentagem alta de voto e a qualidade da democracia depende dessa vivacidade, dessa troca de ideias, de debates abertos sobre os reais problemas do povo brasileiro”, disse. “Estamos preocupados pela evolução da democracia no país. Vivemos em tempos de Donald Trump, de crescimento de regimes autoritários pelo mundo, e a inquietude passa por esse número de movimentos populistas conservadores e de extrema-direita e que usam da violência política. É essencial defender instituições fortes e imparciais e o Estado de Direito é a regra que tem que estar no coração da democracia”. 

Seminário

Organizado pela Fundação Perseu Abramo (FPA),  o seminário internacional Ameaças à Democracia e a Ordem Multipolar reunirá pensadores e políticos de prestígio internacional como o linguista e filósofo Noam Chomsky, o ex-governador do do Distrito Federal do México, Cuauhtémoc Cárdenas, o ex-senador chileno Carlos Ominami e os ex-primeiros ministros Massimo D’Alema, da Itália, e José Luis Rodriguez Zapatero, da Espanha.

Confira a cobertura completa no site e nas redes sociais do Brasil de Fato e acompanhe a transmissão ao vivo com tradução simultânea para português pela página do Facebook da Fundação Perseu Abramo.

Edição: Daniel Giovanaz