Artigo

Opinião | Globo conspira contra Eleição

Uma concessão pública, a Rede Globo deixou de fazer jornalismo faz tempo

Ação da PF contra comitiva da Guiné Equatorial foi associada ao PT e Lula pelo Jornal Nacional / Mídia Ninja

Na sexta-feira (14), agentes da Polícia Federal e da Receita Federal aprenderam US$ 1,4 milhão e R$ 55 mil em dinheiro, e cerca de 20 relógios avaliados em US$ 15 milhões com membros de uma comitiva da Guiné Equatorial, incluindo o vice-presidente do país, Teodoro Obiang Mang, no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas.

Pois não é que a Rede Globo resolveu aproveitar-se da situação para praticar uma vendeta contra Lula e o Partido dos Trabalhadores, na edição do Jornal Nacional deste sábado (15), com todos os ingredientes da agressiva linha editorial que caracteriza a emissora, que está se tornando cada dia mais perigosa.

Em meio à notícia, a edição tratou de “lembrar” que o presidente da Guiné Equatorial esteve no Brasil, em visita oficial, estampando uma foto com o protocolar aperto de mão dos presidentes, com o evidente objetivo de estabelecer um “vínculo” entre os dois e a situação atual, para criminalizar Lula.

Depois de exibir o esfaqueador de Bolsonaro com camisa vermelha, em seu depoimento à Polícia Federal, esta nova ação criminosa deixa claro que a Rede Globo está disposta a fazer tudo o que estiver ao alcance de seu arsenal de artimanhas editoriais para tentar impedir a vitória do povo nas urnas.

Uma concessão pública, a Rede Globo deixou de fazer jornalismo faz tempo, aliando-se ao fascismo, e tornando-se um braço “editorial” dos interesses imperialistas, dos bancos que a sustentam, e porta-voz dos setores internos mais podres da economia, da política, do judiciário e da polícia.

O desespero diante da iminente derrota do golpe não vai ficar apenas nisso, exigindo que jornalistas, partidos, movimentos populares e todos os democratas do país se levantem contra a manipulação de informações e fatos que, claramente, está sendo tramada nos porões do Projac, no Rio de Janeiro.

*Fernando Rosa, jornalista, editor do blog Senhor X, especializado em geopolítica.

Edição: Fernando Rosa