Eleições 2018

Editorial | Elas sim. Ele nunca.

As mulheres assumem maior protagonismo nas mobilizações políticas do país

Brasil de Fato | Curitiba (PR)

,
Bolsonaro defende que as mulheres devem ganhar menos. / Reprodução

O candidato à vice-presidente da chapa de Bolsonaro, general Mourão, afirma que famílias apenas com mãe e avó são “fábrica para elementos desajustados” que tendem a ingressar no tráfico. Isto, em um país em que 11,6 milhões de mulheres criam seus filhos sozinhas.

Bolsonaro, por sua vez, defende que as mulheres devem ganhar menos. Apesar de ter casa própria, recebe auxílio-moradia e diz que usava o dinheiro “para comer gente”.

Uma péssima forma de fazer política: foram diversas as vezes em que, ao invés de oferecer uma proposta para enfrentar os problemas sociais, Bolsonaro e seus aliados destilaram ódio e discriminação contra mulheres, negros e homossexuais.

As mulheres, por outro lado, assumem maior protagonismo nas mobilizações políticas do país e desempenham papel decisivo nas eleições: são 52,5% do eleitorado. Apesar disso, nas candidaturas, a desigualdade continua: apenas 30,7% dos candidatos são mulheres. Os desafios de enfrentamento à discriminação são muitos.

Mas, organizadas, as mulheres avançam. Não é à toa que a campanha contra Bolsonaro denominada “ele não” está tomando o país. As mulheres sabem que, para que tenham direito à vida com dignidade, ele não pode ser eleito. Ele nunca.

 

Edição: Paula Cozero