Violência

Homens armados agridem organizadora de ato contra Bolsonaro no RJ

Vítima, cujo nome foi preservado pelo partido, é uma das organizadoras do ato #MulheresContraBolsonaro

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,
A campanha #EleNão mobiliza milhões de mulheres contra a candidatura misógina de Bolsonaro / Foto: Reprodução/Facebook

O Psol do Rio de Janeiro divulgou, por meio de nota oficial, que uma militante do partido foi agredida na noite de ontem (24) por três homens armados, que a atingiram com socos e coronhadas.

A vítima, cujo nome foi preservado para preservar sua segurança, é uma das coordenadoras do ato #MulheresContraBolsonaro, marcado para este sábado (29), às 15h, na Cinelândia, e integrante da comunidade virtual de mesmo nome, onde mais de 2 milhões de mulheres de todo o país denunciam o caráter misógino da candidatura presidencial de Jair Bolsonaro (PSL).

Leia também:

:: Seis meses após assassinatos, caso Marielle Franco ainda aguarda solução

:: Depois de sofrer ataques virtuais, mulheres reforçam mobilização contra Bolsonaro

:: Violência contra candidatos do PT em Curitiba já é tratada como crime eleitoral

"Três homens desceram de um táxi armados, deram coronhadas e um soco no rosto da militante, e ainda roubaram o seu celular. Ela foi atendida no Hospital Municipal Evandro Freire, Ilha do Governador. Em seguida, foi encaminhada para a 37ª Delegacia de Polícia na Estrada do Galeão", diz a nota do partido.

"A Executiva Nacional do PSOL repudia essa agressão covarde e exige das autoridades apuração e punição imediata contra os autores desse ato. Nos colocamos ao lado dos que defendem uma eleição livre de agressões e violência. Temos certeza de que as mulheres não se intimidarão com mais agressão e farão do dia 29 um marco histórico contra o machismo e a intolerância", conclui o documento.

Edição: Diego Sartorato