Eleições

Editorial | A esperança vai vencer o medo novamente

Nestas eleições, está em jogo uma grande disputa entre dois projetos de sociedade e de país

Brasil de Fato | Recife (PE)

,
É preciso expor as diferenças de projeto e quem realmente tem serviços prestados ao país. / Ricardo Stuckert

Neste dia 07 de outubro se encerra mais uma batalha de uma dura disputa que se acirrou nos últimos tempos no Brasil. Podemos dizer que ela teve o seu pontapé inicial logo após a vitória da Presidenta Dilma Roussef nas eleições de 2014, quando Aécio Neves, então candidato do PSDB, anunciou que não aceitaria o resultado das urnas. De lá para cá, o PSDB, junto a outros partidos da direita brasileira, fez tudo quanto possível para desestabilizar o governo. E seguiram nessa pegada até a consumação do golpe, com o impeachment da Presidenta.

Mas, quase como uma ironia do destino, o PSDB terminará com um desprezível resultado eleitoral. Geraldo Alckmin, o seu candidato, ainda teve que acompanhar, como um soldado ferido abandonado por seus companheiros, a debandada de seus apoiadores. Estes, pouco a pouco foram escondendo e tirando Alckmin das propagandas e, assim, foi caindo no ostracismo.

A partir das 17h deste dia 7 de outubro, quando se encerra a votação do 1º turno, teremos já o início de uma nova batalha que seguirá dividindo o Brasil. Mas se engana quem pensa que estaremos diante de uma simples luta entre o PT e o Bolsonaro. Na realidade, como temos apresentado reiteradamente em nosso jornal, trata-se de uma grande disputa entre dois projetos de sociedade e de país.  De um lado, o projeto representado por Bolsonaro, baseado em mentiras, ódio e violência. Do outro, um projeto representado pelo Fernando Haddad. Um projeto de civilidade que retoma, entre outras tantas, ações como o Programa Luz para Todos, o Minha Casa, Minha Vida e o Mais Médicos.

Infelizmente, esta eleição também já está marcada pelas chamadas Fake News. São mentiras ditas e repetidas que ganharam muita força pelo Whatsapp. Sempre com informações sem origem, com fatos distorcidos e que buscam atacar a imagem de alguém. No caso, a candidatura de Fernando Haddad tem sido alvo de muitas destas mentiras. 

Mas, apesar de tantas mentiras e falsidades, uma coisa o Bolsonaro não consegue esconder: é o desejo de sua candidatura de acabar com o que resta dos direitos da classe trabalhadora brasileira. O que eles defendem para a economia, através das palavras do economista Paulo Guedes, é apenas mais do mesmo: neoliberalismo. O mesmo que acabou com o país e trouxe tanta miséria na década de 1990 nos governos de Fernando Henrique Cardoso.

Precisamos de muita energia para estes últimos dias do 1º turno e para todo o 2º turno. Derrotar Bolsonaro e eleger um Governo Popular ainda não será a solução definitiva para os problemas nos quais o Brasil foi mergulhado após o impeachment, mas certamente será um passo importante para isso. Se com Lula e Dilma a Esperança venceu o Medo, com Haddad a Verdade vencerá a Mentira. Por Um Brasil Feliz de Novo, vamos de Haddad e Manu.

Edição: Catarina de Angola