Caravana

México nega ter entrado em acordo com EUA sobre asilo a migrantes

Trump proibiu os pedidos de asilo daqueles que não passem por procedimentos migratórios regulares

Comunicado do governo mexicano afirma que a política migratória do país é "soberana" / Ulises Ruiz/AFP

O governo do México negou ter firmado um acordo com os Estados Unidos para processar solicitações de refúgio ou asilo de migrantes que tentam entrar em território estadunidense e que, neste momento, atravessam o país latino rumo à fronteira norte.

A Secretaria de Relações Exteriores do México (SRE) disse, em um comunicado divulgado no final da noite de sábado (10), que sua política migratória é “soberana” e se baseia “nos próprios interesses”.

A declaração do governo mexicano, cujo mandato se encerra no final do mês, foi feita em resposta ao decreto assinado na última sexta-feira (09/11) pelo presidente norte-americano Donald Trump, que proibiu os pedidos de asilo daqueles que não passem por procedimentos migratórios regulares em algum porto de entrada, como aeroportos e escritórios de fronteiras terrestres.

A ideia de Trump é dificultar a entrada dos caravaneiros. Para as autoridades norte-americanas, os pedidos de asilo por parte dos migrantes que participam da mobilização devem ser processados pelo Estado mexicano.

Mas, para a chancelaria do México, “a caravana migrante proveniente da América Central é um fenômeno humanitário inédito que requer o trabalho conjunto de todos os países da região para responder a ela de maneira integral e com uma perspectiva de direitos humanos”.

Washington destacou 5.200 efetivos, entre militares e polícias, para impedir a passagem dos caravaneiros quando estes chegarem à fronteira México-EUA.

A caravana migrante, que saiu no dia 13 de outubro da região norte de Honduras, se encontra atualmente no centro do México. A intenção é chegar a Tijuana, que faz fronteira com San Diego (EUA), onde seus integrantes pedirão asilo.

*Com informações da teleSUR.

Edição: Opera Mundi