Educação

Escola do MST ganha segundo lugar em Mostra Pedagógica no RS

Neste ano, o evento teve como tema “A Qualidade da Escola Pública Fortalece a Resistência”

Educandos e Educadores do Assentamento Santa Elmira na Mostra Pedagógica / Divulgação/MST

O projeto “Protegendo as Águas do Pampa” foi o segundo colocado na categoria de Ensino Fundamental dos anos finais na 3ª Mostra Pedagógica do Centro dos Professores do Estado do Rio Grande do Sul (CPERS). O trabalho, que iniciou há dois anos, é realizado pela Escola Estadual de Ensino Fundamental Chico Mendes, situada no Assentamento Santa Elmira, em Hulha Negra, na região da Campanha gaúcha. Ele resulta da parceria com o Instituto Cultural Padre Josimo e a Pampa Sul, que também trabalham nos assentamentos de Candiota, localizados na mesma região.

Emilli Zanatto, de 12 anos, foi uma das educandas responsáveis pela exposição do projeto na Praça da Alfândega, em Porto Alegre, durante os dias 28 e 29 de novembro. Ela fala que a iniciativa surgiu a partir de uma necessidade da própria instituição. “A água que nós tínhamos na escola não era de boa qualidade”, diz. O empreendimento visa a proteção de fontes e nascentes de água e a educação ambiental voltada à preservação do Pampa. Também foca na produção de conhecimento, alfabetização e conscientização ecológica das questões socioambientais de maneira comprometida com a vida e com o bem-estar de cada um e da sociedade como um todo. Emilli relata ainda que as ações ocorreram a partir de um projeto que acontecia na região. “Já tinham recuperado várias nascentes e resolveram recuperar uma que estava próxima a nossa escola” destaca.

Todos os estudantes da Escola Chico Mendes se envolvem no processo do projeto, desde a plantação de árvores em volta das nascentes até o cultivo das mesmas. O intuito é assegurar o êxito dos trabalhos realizados. De acordo com a professora e orientadora do trabalho, Cenira Hahn, o resultado reflete positivamente na água da escola. “Melhorou a qualidade da água. Há dois anos a água era imprópria para o consumo. A escola necessitava fervê-la para então passar a consumir”, comenta.

Para os estudantes, o projeto retrata a importância do cuidado com as nascentes e consequentemente com o consumo saudável da água. Alice Rodrigues, 12 anos, sinaliza que “a iniciativa é relevante, porque trata da importância da água na nossa vida.” Já Emilli explica que o trabalho realizado na escola se estende para os lotes dos assentados. “Tenho certeza que esse aprendizado nós vamos levar para longe”, acrescenta.

Os educandos e educadores do MST objetivam para o próximo ano novos projetos relacionados a preservação das nascentes. Segundo a professora Cenira, essa nova ação terá como finalidade catalogar as árvores dispostas em torno das nascentes e da escola, com seu nome popular e científico. Para ela, além do conhecimento da diversidade da flora presente nos assentamentos, isso auxilia no letramento dos estudantes.

3º Mostra Pedagógica

Entre os 121 trabalhos expostos na 3ª Mostra Pedagógica do CPERS, outra escola da Reforma Agrária apresentou seu projeto no evento. A Escola Estadual de Ensino Médio Nova Sociedade, de Nova Santa Rita, na região Metropolitana de Porto Alegre, mostrou as ervas medicinais produzidas nos Assentamentos Itapuí e Capela. Esse projeto tem parceria com o Clube de Ciências do Campo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), coordenado pelo professor José Robaina. Nele, o objetivo é desenvolver atividades que formam e motivam a comunidade escolar na produção do conhecimento sobre as plantas medicinais.

Neste ano, o evento teve como tema “A Qualidade da Escola Pública Fortalece a Resistência”. O propósito foi evidenciar trabalhos realizados pelos estudantes e professores da rede estadual, e reduzir o distanciamento entre o que é produzido nas escolas e a comunidade.

A mostra premiou cinco dos trabalhos mais significativos. Os primeiros colocados das cinco categorias (Ensino Fundamental – anos iniciais; Ensino Fundamental – anos finais; Ensino Médio;  EJA e Ensino Profissionalizante) receberam troféus e vão participar do Encontro Pedagógico Latino Americano da Internacional da Educação para a América Latina (IEAL), que ocorre em Buenos Aires, na Argentina, em 2019. Já os segundos e terceiros lugares receberam medalhas em reconhecimento à dedicação dos participantes.

Edição: Sul 21