Menos direitos

Alvo de mentiras, auxílio-reclusão sofre mudanças e põe famílias em risco

Recurso é destinado somente a dependentes de presos que contribuíram com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

Auxílio-reclusão está previsto na Constituição Federal de 1988 e pela Lei 8.213, de 1991 / (Foto: Regina de Grammont/Rede Brasil Atual)

Com o argumento de combater fraudes em benefícios pagos pela Previdência Social, o governo Jair Bolsonaro (PSL) elegeu o auxílio-reclusão como um de seus alvos. Na última sexta-feira (18), o político do PSL assinou uma medida provisória (MP) que limitou o benefício pago às cônjuges e dependentes de presos, além de alterar regras da pensão por morte e aposentadoria rural.

Durante a campanha presidencial, Bolsonaro prometeu que acabaria com a “bolsa-bandido” – como se refere ao auxílio-reclusão, de forma pejorativa. Não acabou. Mas fez cortes significativos.

O que muda

O recurso é destinado aos dependentes de presos que contribuíram com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) antes da detenção, e só é válido durante o período de reclusão.

Antes da MP do dia 18, os familiares poderiam receber o benefício caso o contribuinte estivesse em regime fechado ou semiaberto, sem acumular outros benefícios. Agora, o auxílio estende-se apenas aos dependentes de presos em regime fechado.

Para que cônjuges, filhos, pais ou dependentes tenham direito ao benefício, o último salário de contribuição do recluso deve ser igual ou menor do que R$ 1.364,43 – valor atualizado este ano.

A MP de Bolsonaro também determinou uma carência de 24 contribuições para que o benefício seja requerido, o que não existia anteriormente. A comprovação de baixa renda também levará em conta a média dos 12 últimos salários do segurado, não só a do último mês antes da prisão.

De acordo com Infopen, sistema de informações estatísticas do sistema penitenciário brasileiro organizado pelo Ministério da Justiça, em junho de 2016 o número de pessoas encarceradas no Brasil chegou a mais de 726 mil.

O INSS informa que, em dezembro de 2018, 45.411 pessoas receberam o auxílio-reclusão de R$ 1.028.16 – valor anterior ao ajuste. Ou seja: menos de 10% dos dependentes de presos recebem o benefício, previsto na Constituição Federal de 1988 e pela Lei 8.213, de 1991.

Para efeito de comparação, 110 mil filhas de militares recebem pensão no Brasil – mais que o dobro do número de famílias que recebem o auxílio-reclusão. As filhas de militares ganham, em média, R$ 8,1 mil por mês do Estado.

Vulnerabilidade

Tânia Oliveira, advogada e uma das fundadoras da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD), ressalta que as famílias que recebem o auxílio-reclusão são, em geral, pobres, e sentem falta dos rendimentos daqueles que estão privados de liberdade.

Image result for bolsa bandido

Memes que circulam na internet há anos alimentam desinformação ao sugerirem que presos ganham salário. (Reprodução)

Para Oliveira, o benefício é alvo da extrema direita por falta de informação. Há um senso comum de que é o próprio preso que recebe a quantia. A informação de que o auxílio-reclusão é exclusivo aos trabalhadores que contribuíram com o INSS, segundo a jurista, deveria ser mais difundida.

“Querem condenar as famílias, as crianças, os idosos, quem for dependente do preso, a ser preso junto com ele. Passam a ser condenados também. Ficam condenados a serem desprovidos do valor que lhes garante a sobrevivência. Essa história de 'bolsa-bandido', é uma construção social para desqualificar, o que é, de verdade, o auxílio-reclusão”, critica a coordenadora da ABJD.

“É uma crueldade com a população pobres. São filhos, enteados, cônjuges, pais não-independentes economicamente, que vão ficar desassistidos. É uma maldade, uma crueldade. Não tem nenhum cabimento esse tipo de alteração. É pura retroalimentação de um pensamento preconceituoso e desinformado do governo”, complementa.

Limites

Essa é a situação em qual se encontram a cozinheira Cristina, que não preferiu se identificar, e seus filhos. O marido dela está preso em regime fechado há dois anos, mas foi só em dezembro de 2018 que ela conseguiu receber o auxílio-reclusão, após enfrentar uma série de dificuldades no âmbito burocrático – mesmo que o cônjuge tivesse pago o INSS por mais de dez anos.

“Eu estava desempregada, com dois filhos menores de idade, e uma maior que não conseguia emprego. Esse auxílio é a nossa própria sobrevivência mesmo. É muito triste quando o INSS nega nosso pedido, porque só quem vive sabe como é justo receber esse auxílio”, desabafa Cristina. “Não são todos que têm direito a esse auxílio, mas ele realmente é de grande ajuda para os familiares”, finaliza.

Na interpretação de Oliveira, o aspecto mais grave da MP assinada por Bolsonaro é limitar o auxílio apenas a dependentes de presos de regime fechado.

"Parece que o governo parte do princípio de que quem está em regime semi-aberto, a rigor, poderia trabalhar. O que acontece é que o número de trabalho oferecido a presos do regime semi-aberto é baixíssimo. Diante, inclusive, da ausência de políticas públicas para favorecer isso [inclusão no mercado]", completa.

Após ser assinada e publicada no Diário Oficial, a MP passa a ter validade imediata, mas deverá ser votada pelo Congresso Nacional em 60 dias. Caso não tenha a votação concluída, o prazo é prorrogado pelo mesmo período.

Edição: Pedro Ribeiro Nogueira