RECORD ATACA MST

"Aquilo foi tentativa de difamação", diz Ivan Moraes sobre matéria da Record

Militante da comunicação, o vereador do Recife trata ainda da suposta doutrinação do MST

Brasil de Fato | Recife (PE)

,

Ouça o áudio:

Ivan aponta que todas as famílias tentam transmitir os valores aos filhos e com os sem terra não é diferente / Comunicação PSOL

O vereador do Recife pelo PSOL, Ivan Moraes, histórico militante pelo direito à comunicação, fez duras críticas à "reportagem" veiculada pela Rede Record de televisão no último domingo (10), no programa Domingo Espetacular, na qual trata do Encontro Nacional dos Sem Terrinha. A emissora pegou vídeos públicos no canal do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na plataforma Youtube, fez recortes e distorções para acusar o MST de violar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A Record, emissora do pastor Edir Macedo, apoiou explicitamente a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República e desde então tem prestado-lhe serviços.

Ivan Moraes esteve presente no Encontro dos Sem Terrinha, em julho de 2018, em Brasília, e diz que o que viu é bem diferente do que a Record faz crer em sua matéria. "Eu fiquei maravilhado com tantas crianças fazendo todo tipo de atividade relacionada a agricultura, criatividade, audiovisual, escrita, cultura de não-violência, além de Direito da Criança e do Adolescente", recorda. "Tudo o que eu queria que as crianças do Brasil todo tivessem acesso, aquelas lá estavam tendo, porque seus pais são ligados ou são parte do MST", pontua Ivan.

Mas, sobre a reportagem, Ivan lamenta. "Fiquei muito espantado. Aquilo não é jornalismo de jeito nenhum. A reportagem é repleta de preconceito e informações distorcidas. Em nenhuma faculdade de jornalismo do Brasil se ensina a fazer o que se fez nesse domingo na Record. Se fosse jornalismo, todos os lados seriam ouvidos. Mas não quiseram escutar o MST", alerta. "O MST não foge de entrevistas, diferente de algumas pessoas públicas. Como é que acusam o MST de fazer algo nocivo às crianças, mas não falam com ninguém do MST? Não tiveram a mínima decência. É uma coisa ridícula", critica o parlamentar.

Leia também:

TV Record ignora critérios jornalísticos ao atacar crianças sem-terra

"Venho falar como Sem Terrinha que fui": advogada relata seu aprendizado no MST

Ele destaca ainda que, durante os 20 minuntos de reportagem, a emissora fez parecer que teria "encontrado" vídeos supostamente secretos do MST, quando na verdade foi um encontro público e divulgado. "Foi tratado como se fosse algo proibido e feito às escondidas, quando não tem nada disso", diz Ivan. "Aquilo foi tentativa de difamação e precisa ser coibida", pontua o vereador do PSOL. "Estou envergonhado enquanto jornalista e indignado como cidadão. O encontro foi lindo, mas que pena essa emissora estar tentando criminalizar a atitude de pais e mães que querem que suas crianças possam pensar num mundo melhor e com menos desigualdade", conclui.

"Dotrinação"

Na conversa com o BdF o vereador também lembrou que é normal as famílias exercerem influência sobre suas crianças, levando-as para igrejas e atividades culturais da família. "E numa parte da reportagem falam de doutrinação, questionando por que levam as crianças para esses lugares. Ora, mas toda família, mesmo as conservadoras ou liberais, todas procuram repassar seus valores às suas crianças. Os valores religiosos, os valores sociais, culturais, até o time de futebol que a criança torce a gente tenta influenciar. Então o que há de errado quando militantes de Direitos Humanos levam os filhos para conhecer melhor o movimento?", questiona.

O Encontro Nacional dos Sem Terrinha reuniu 1.200 crianças de todo o Brasil, moradoras de assentamentos ou acampamentos do MST, para dias de atividade lúdica, cultural e política em Brasília. No encontro, as pautas giram em torno dos Direitos da Criança e do Adolescente, destacando o direito à educação e alimentação saudável.

Ivan Moraes ainda critica a Record e recomenda que os cidadãos busquem mais informações, para não ficarem reféns de apenas alguns veículos. "É lamentável que uma emissora se preste a inventar mentiras e manipular informações contra um dos movimentos mais importantes do Brasil. E o remédio que temos contra isso é conhecer melhor. O remédio contra a mentira é a informação", alerta. "Temos que procurar saber como foi realmente esse encontro dos Sem Terrinhas, temos que pesquisar o que é o trabalho feito pelo MST na base da sociedade", sugere.

Edição: Monyse Ravena