Blocos identitários reivindicam e ocupam espaço no Carnaval

Imagem do logo do Podcast
Bloco das Montadas, no Distrito Federal, levou 15 mil pessoas às ruas em 2018
Bloco das Montadas, no Distrito Federal, levou 15 mil pessoas às ruas em 2018 - Flickr/Mídia Ninja
Blocos temáticos discutem racismo, homofobia e a política brasileira

Um bloco é feito de estandarte, de música, harmonia, alegria, suor e muita gente fantasiada, purpurinada e brincando o carnaval. No tradicional festejo brasileiro blocos e troças tomam as ruas de animação que dura os quatros dias de carnaval e termina na ingrata quarta-feira de cinzas.

Mas o que muita gente não sabe é que muito além da chuva, suor e cerveja, blocos de carnaval problematizam e fazem escárnio de mazelas sociais, injustiças e figuram como resistência.

Em Pernambuco,  um dos estados onde brincar carnaval é coisa séria, o frevo reina, o galo da madrugada reúne multidões, assim como o homem da meia noite, os bonecos gigantes nas ladeiras paralisam e  a tradição do carnaval é aprendida desde criancinha.

Um bloco genuinamente pernambucano  é o “Grêmio Lítero Recreativo Cultural Misto Carnavalesco Eu Acho é Pouco”. Fundado em 1976, em plena ditadura militar, o bloco foi a forma mais autêntica que amigos e amigas encontraram para declarar seu descontentamento e desprezo ao regime.

O trecho da tradicional marchinha “Doutor eu não me engano” ganhou versão adaptada em um bloco de carnaval de São Paulo.

Ao som de “Doutor eu não me engano, o Bolsonaro é miliciano”, o Bloco 77 traz, segundo a própria organização, a MPB, Música Punk Brasileira, cantando As Mercenárias, Ratos de Porão, Cólera e tantos outros em ritmos de marchinha, pelas ruas do bairro de Pinheiros, região oeste de São Paulo.

Entre tantas iniciativas, uma das que mais chamou atenção em 2018 e promete seguir o mesmo roteiro neste ano é o Bloco das Montadas, no Distrito Federal.

A festa, que é protagonizada por drags queens e tem como foliões centrais dessa alegria a comunidade LGBTI+, arrastou mais de 15 mil foliões para as ruas no ano passado.

Honerix Sobrinho afirma que “ o bloco surgiu a partir de um processo autor-organizado do Distrito Drag, que é um coletivo de artistas dragqueen aqui de Brasília”, diz.

A meta para 2019 é levar mais gente para a rua “É a segunda edição do bloco, que no ano passado levou mais de quinze mil pessoas para as ruas. Nossa expectativa, para esse ano, é de 25 a 30 mil pessoas”, completa Honerix.

O Bloco das Montadas já tem data e local de partida: será no Setor Bancário Norte, domingo, 03/03, a partir das 15h.

Saindo da capital federal, chegamos a Fortaleza (CE), para contar a história do bloco "Doido é Tu", cujo tema deste ano é “Manicômio Nunca Mais”.

Daniella Bargas, atriz e educadora social, ressalta a importância do debate sobre saúde mental em um momento de retrocessos do governo federal no debate sobre o tema.

“Temos nos formado politicamente a partir desse tema, e comunicado para a sociedade que não queremos os retrocessos do nossos direitos, tampouco o retorno de uma política biomédica. Nós, como sociedade, reconhecemos uma metodologia de saúde mental baseada na convivência e na relação criativa”, explica.

Descendo o Brasil, do nordeste para o sul, chegamos ao Paraná. Na capital Curitiba, uma reunião de amigos fez com que uma cidade prioritariamente branca tivesse, desde o Carnaval do ano passado, um mar de pretos e pretas dançando, sorrindo e, claro, reivindicando.

O bloco "Pretinhosidade" reúne influências das músicas baianas para quebrar estereótipos e mostrar a cultura negra à população local.

Ângela Maria da Silva, que é coordenadora do movimento, comenta que o Pretinhosidade é uma forma enfrentar o conceito de “cidade europeia” criado para falar de Curitiba.

Para ela, é preciso mostrar que pretos e pretas também ocupam esse espaço e tem direito sobre ele.

“Curitiba é chamada de “capital europeia” do Brasil. Existe o mito de aqui não existem negros, como se apenas italianos e holandeses tivessem construído a cidade", questiona.

"É um enfrentamento ser negro aqui. Andamos na rua e perguntam se somos da Bahia, do Rio de Janeiro. Nunca acham que sou de Curitiba”, salienta Ângela.

Reivindique, sambe, sorria e curta o Carnaval com respeito e alegria!

Edição: Guilherme Henrique