TENSÃO

EUA classificam Exército iraniano como terrorista; para Teerã, medida é “perversa”

Com medida, é a primeira vez que Washington inclui força militar de um país entre organizações consideradas terroristas

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

Tensão entre EUA e Irã ocorre desde que Trump assumiu a presidência / Foto: Saul Loeb/AFP

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta segunda-feira (8) que a Guarda Revolucionária do Irã passará a constar na lista de grupos considerados terroristas pelo governo estadunidense.

“Este passo sem precedentes reconhece a realidade de que o Irã não é só um Estado patrocinador do terrorismo, mas também que a Guarda Revolucionária do Irã [IRGC, na sigla em inglês] participa, financia e promove o terrorismo como uma ferramenta estatal”, afirmou o mandatário estadunidense em comunicado.

Embora cerca de 60 grupos em todo o mundo façam parte da lista de organizações apontadas pelos Estados Unidos como terroristas, é a primeira vez que Washington inclui o Exército de um país.

Trump aproveitou para mandar um recado para outras nações. Segundo ele, a ação do governo estadunidense “deixa claro os riscos de se fazer negócios com a IRGC, ou de lhe proporcionar apoio. Se está fazendo negócios com a IRGC, você está distribuindo recursos para o terrorismo”.

Nos últimos anos, os EUA aplicaram uma série de sanções contra o Irã, mas as punições nunca haviam sido direcionadas à força militar.  A medida resultará em restrições de viagem, além de possíveis acusações criminais para colaboradores.

“Atitude perversa não dará frutos”

A declaração de Trump gerou reações iranianas já nesta segunda-feira (9). O Conselho Supremo de Segurança Nacional do país afirmou que classificará os EUA como um “Estado patrocinador do terrorismo” e as forças estadunidenses que atuam no Oriente Médio como “grupos terroristas”.

A contra-ofensiva diplomática visa atingir o Comando Central dos Estados Unidos, conhecido como CENTCOM, que atua em diversas zonas de guerra e ponto de acesso, incluindo Afeganistão, Iraque, Síria, Iêmen e Golfo.

“O IRGC, ao contrário da América e seus aliados regionais, que sempre apoiaram extremistas e grupos terroristas na região oeste da Ásia, tem estado sempre na linha de frente do combate ao terrorismo e ao extremismo na região”, afirmou o órgão em um comunicado divulgado pela agência oficial de notícias Irna.

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, também se pronunciou, da capital iraniana, Teerã, a respeito do que considerou uma medida "perversa” dos EUA. “Eles querem tramar contra nossa Sepah [Guarda]. (…) Apesar de toda a pressão dos últimos 40 anos, os americanos não conseguiram fazer droga nenhuma e sua atitude perversa não dará frutos”.  

Segundo o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, a declaração do mandatário estadunidense tem como objetivo apoiar o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, um dos principais aliados de Trump, que tenta ser reeleito para seu quarto mandato consecutivo nas eleições que ocorrem nesta terça-feira (9) em meio a escândalos de corrupção.

Tensão Irã-EUA

A escalada de tensões entre o Irã e os Estados Unidos começou desde que Trump assumiu a presidência e se acentuou quando o mandatário anunciou, em maio de 2018, a saída dos EUA do Acordo Nuclear Iraniano, contrariando os pedidos de permanência feitos pelos demais signatários do pacto.

O acordo, em vigor desde 2015, assinado pelo chamado Grupo 5+1 (EUA, Rússia, Reino Unido, França, China e Alemanha), foi feito no intuito de limitar o programa nuclear iraniano. Em troca, os países retiraram as sanções impostas ao país, que atingiam os setores de finanças, comércio e energia. Além disso, bilhões de dólares e de bens congelados foram liberados.

Após a saída, os EUA restabeleceram as sanções contra o Irã. Na ocasião, Trump afirmou que o país não seguia as normas estabelecidas no acordo e que ele era “horrível, unilateral e nunca devia ter sido feito”. A ONU e os demais signatários, no entanto, afirmam que Teerã segue integralmente os princípios acordados.

Edição: Pedro Ribeiro Nogueira