VENENO

Monsanto é condenada a indenizar agricultor francês por envenenamento com agrotóxico

Paul François, 55, pede um milhão de euros por sequelas provenientes do uso do Lasso, proibido no país desde 2007

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

Aplicação do Lasso exige uso de equipamentos de proteção e fazendeiro afirma que rotulagem estava incompleta / Center for Food Safety/Reprodução

Nesta quinta-feira (11) uma corte em Lyon, na França, decidiu em favor do agricultor francês Paul François, que diz sofrer consequências em sua saúde da inalação acidental do agrotóxico Lasse, proibido desde 2007 na França.

É mais uma derrota para a companhia, atualmente de propriedade da alemã Bayer. Ano passado, a gigante do agrotóxico perdeu uma processo para o jardineiro americano Dewayne Johnson, que foi diagnosticado com câncer terminal após usar o herbicida Roundup.

A alegação de François, 55, é que o produto tinha uma rotulagem inadequada e por conta disso ele sofreu problemas neurológicos, perda de memória, desmaios e dores de cabeça. Ele teria inalado o veneno em 2004, trabalhando em sua fazenda.

Ele pede uma indenização de 1 milhão de euros mas a compensação não foi determinado pelo veredicto final. A Bayer, que adquiriu a Monsanto em 2018 por US$ 63 bilhões afirmou que irá recorrer.

 

*Com informações da Deutsche Welle

Edição: Pedro Ribeiro Nogueira