APOIO À EDUCAÇÃO

Categorias ligadas à produção paralisam em Curitiba em apoio à educação pública

Petroleiros, petroquímicos e metalúrgicos reivindicam mais investimento na área

Brasil de Fato I Curitiba (PR)

,
O protesto metalúrgico aconteceu em unidades tais como Renault, Volkswagen, CNH, Bosch, Volvo, Brafer, Pic da Audi / Simec

Categorias ligadas à produção fizeram mobilizações na madrugada e na manhã de hoje (15) em Curitiba e região metropolitana. Às 7h, petroleiros promoveram duas manifestações, uma na Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), ao lado dos petroquímicos, em Araucária, e outra na Usina do Xisto, em São Mateus do Sul, em adesão à pauta dos educadores e contra a privatização da Petrobrás.

O Sindicato dos Petroleiros do Paraná e Santa Catarina (Sindipetro PR SC) defende que parte dos recursos obtidos a partir da exploração do petróleo no Brasil deve ser investida em educação e saúde públicas.

Já o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC), anuncia que liderou assembleias em empresas do ramo metalúrgico na capital, paralisando cerca de 20 mil metalúrgicos em apoio à Educação Pública e contra a atual proposta de reforma da previdência. O protesto aconteceu em unidades tais como Renault, Volkswagen, CNH, Bosch, Volvo, Brafer, Pic da Audi.

Edição: Pedro Carrano