Venezuela

Artigo | A resistência de um povo em revolução

"Aqueles que atacam a Venezuela por meio destas ideias ou tem um profundo desconhecimento do que se passa naquele país"

Brasil de Fato | Porto Alegre (RS)

,
Estratégia dos Estados Unidos é apropriar-se das reservas de petróleo venezuelanas, custe o que custar. / Foto: Reprodução

Durante três anos, de 2013 até 2016, fiz parte da Brigada do MST na Venezuela. Hoje, faço mestrado na UNESP no programa TerritoriAL, onde pesquiso o papel das comunas rurais na Venezuela. Então, como vivenciei e estudo o tema, fico impressionada com o que ouço, vejo e leio no Brasil. 

Todos os dias, nos principais noticiários brasileiros, nos deparamos com ataques constantes a uma pseudo ditadura sanguinária comandada por um homem mau, Nicolás Maduro. Aqueles que atacam a Venezuela por meio destas ideias ou tem um profundo desconhecimento do que se passa naquele país, ou comungam com a estratégia dos Estados Unidos de se apropriarem das reservas de petróleo venezuelanas, custe o que custar. Um governo autoritário é caracterizado por concentração de poder, numa pessoa ou num grupo, uso de força militar, política, ideológica e econômica para manter os cidadãos reféns de interesses de uma pequena parte da população. E, definitivamente, este não é o caso da Venezuela.

A Revolução Bolivariana, desde as eleições de Hugo Chávez em 1998 busca voltar os interesses da nação para o bem estar de sua população. E isso se dá não somente por meio da distribuição da renda petroleira, mas também pela possibilidade da participação política e construção de poder popular.

Desta forma, a afirmação do caráter democrático da Revolução não está somente nas 25 eleições que aconteceram no país nos últimos 20 anos, mas pela constituição de espaços de participação nos processos de tomada de decisão. A sociedade civil venezuelana é forte a atuante, com a participação popular no planejamento e execução de políticas públicas bem como na constituição e desenvolvimento de comunas e dos conselhos comunais como poder territorial.

Com todos os ataques que o povo venezuelano vem sofrendo, guerra econômica, bloqueio econômico, sabotagens, tentativas de cooptação das Forças Armadas e golpes de Estado, desestabilizações e ingerências estrangeiras, ele continua protagonista de seu processo. As políticas públicas e de assistência social nas áreas de saúde, alimentação e habitação continuam prioritárias, com a crescente participação popular na sua execução. Um importante exemplo são os CLAP’s (Comitê Local de Abastecimento e Produção), que tem sido uma ferramenta fundamental para a resistência. Os comitês são organizados e conduzidos pela própria comunidade com aporte estatal, fomentando a produção local de alimentos e lutando contra o desabastecimento forçado de forma coletiva e solidária.

Nada mais oportunista e hipócrita: chamar de “ditadura” um governo com participação popular em busca de soberania e auto determinação. É uma tentativa de justificar o assalto as suas riquezas naturais por parte de uma superpotência que dissemina o ódio e a guerra pelo planeta em busca da satisfação de seus mesquinhos interesses. Na Venezuela, o povo resiste. Fortalece seus instrumentos de participação política e toma as ruas, para mostrar que ali existe um povo em revolução, que defenderá de forma ampla e coletiva sua liberdade e soberania.

(*) Pesquisadora e militante do MST

Edição: Marcelo Ferreira