Terra e Território

Movimento de Pescadores Artesanais debate regulamentação do território pesqueiro

A pescadora Arlene Costa relata que empresários têm impedido o acesso de trabalhadores a áreas de pesca

Brasil de fato | Guararema (SP)

,

Ouça o áudio:

Pesca artesanal é a principal fonte de renda para muitas famílias / Tomaz Silva/Agência Brasil

A presença do Movimento de Pescadores e Pescadoras Artesanais (MPP) no Seminário Terra e Território: Diversidade e Lutas, na Escola Florestan Fernandes (ENFF), em Guararema (SP), coloca em debate, entre outras pautas, a regulamentação das áreas de pesca.

Segundo Arlene Oliveira da Costa, pescadora e integrante do Movimento em Sergipe, empresários que adquirem áreas de pesca tem impedido trabalhadores e trabalhadoras de exercerem sua atividade profissional.

“É um conflito que vem se dando em todos os estados. Hoje nós fazemos uma campanha para a regulamentar o território pesqueiro. Por lei, não se pode cercar, por exemplo, área de manguezal, o pescador tem de ter livre acesso”, completa.

A entrevista completa com Arlene Oliveira da Costa está disponível em áudio.

Acompanhe no Brasil de Fato a cobertura especial do evento.

Edição: Geisa Marques