Coluna

Um balanço crítico do primeiro ano de Bayer-Monsanto: avançando juntos?

Imagem de perfil do Colunista
11 de Junho de 2019 às 12:27
Apesar das suas promessas de sustentabilidade e a sua campanha de imagem, a Bayer segue firme em seu modelo de negócios. / Monsanto
Bayer continua decidida a defender os produtos adquiridos da Monsanto

Por Lena Michelsen, Christian Russau e Sarah Schneider* 

Já faz praticamente um ano que a Bayer comprou a Monsanto por cerca de 56 bilhões de euros (ou cerca de 245 bilhões de reais). Foi a maior aquisição da história das empresas alemãs. A corporação é agora líder mundial no mercado de sementes (34% das vendas totais) e, um pouco atrás da ChemChina (que adquiriu a Syngenta), a número dois no mercado de agrotóxicos (23%).

Logo após a aquisição, a Bayer anunciou: o nome Monsanto irá desaparecer. Os produtos, entretanto, manterão suas marcas e farão parte do portfólio da empresa. O que a Bayer igualmente comprou foi a responsabilidade pela segurança dos produtos, bem como os custos relacionados aos cerca de 13400 processos das vítimas do glifosato nos EUA: neste período, a Monsanto já foi condenada a reparação de danos em três processos.

A partir da integração com a Monsanto, a Bayer se torna também uma potência mundial de vendas, já que o poder de mercado da Monsanto nos EUA e América Latina se combina com a força da Bayer na Europa e Ásia. De acordo com a apresentação para os investidores, feita em 5 de dezembro de 2018, em Londres, os mercados nos EUA, México, Argentina e Brasil serão os mais potentes da empresa. Na ocasião, o CEO da empresa, Werner Baumann, prometeu aumentar até 2022 ainda mais a venda de agrotóxicos nos 162 milhões de hectares de plantações nas Américas

Apesar das suas promessas de sustentabilidade e a sua campanha de imagem, a Bayer segue firme em seu modelo de negócios. A empresa também continua fortemente decidida a defender os produtos adquiridos da Monsanto e inclusive a continuar com práticas e iniciativas comerciais antes criticadas.

Defesa do Glifosato

A Bayer foi obrigada a se desfazer de diversos produtos de sua carteira de negócios por conta da determinação dos órgãos de regulação da concorrência. 

Agora a empresa ficou bastante dependente dos produtos da Monsanto, e especialmente dependente de que o glifosato continue sendo vendido. Também considerando a prevista onda de processos nos EUA, a Bayer está decidida a defender este produto e a negar – assim com a Monsanto – a relação entre o veneno e o câncer. Da mesma forma como a Monsanto buscou nos últimos anos influenciar a avaliação de toxicidade do glifosato, a Bayer vem questionando as conclusões da Agência Internacional de Câncer.

Foto: PxHere

Sul e leste africanos: a Bayer quer continuar o projeto WEMA, de milho geneticamente modificado 

A Bayer deseja seguir os passos da Monsanto no controverso projeto WEMA (sigla em inglês para Milho eficiente em água para a África). Se trata de uma parceria público-privada para o plantio do milho geneticamente modificado supostamente resistente a seca (MON87460) em campos de teste no Quênia, Moçambique, África do Sul, Tanzânia e Uganda.

Na realidade, perdas de colheitas por conta das secas – agravadas pelas mudanças climáticas – são um grande problema na África Subsaariana. No entanto, ninguém sabe até que ponto o milho da Monsanto cumpre as suas promessas. 

Em outubro de 2018, o governo sul-africano determinou barreiras claras aos objetivos da Monsanto de sempre testar novas variedades de milho. O país negou o pedido da Monsanto de liberação de uma nova variedade que combinava resistência à seca, ao herbicida glifosato e aos insetos. O motivo: não havia comprovações suficientes referentes às características de resistência à seca e aos insetos. A Bayer entrou com recurso contra a negativa do governo sul-africano.

Argentina: a “Lei Bayer-Monsanto”

O interesse da Bayer no mercado argentino de sementes e agrotóxicos cresceu após a compra da Monsanto. Neste sentido, a empresa tem se colocado a favor de um ambiente político favorável para seus negócios. 

A atual lei de sementes permite aos agricultores argentinos o uso gratuito de uma parte da colheita para o plantio no próximo ano, mesmo quando a semente original tenha sido comprada. Esta lei já era uma espinha atravessada na garganta da Monsanto. 

Através de uma associação argentina de empresas de sementes, foi elaborado um novo projeto de lei de sementes, alertado por algumas pessoas como a Lei Bayer-Monsanto. Os votos do partido do governo não foram suficientes para aprovar a lei em 2018. A Bayer aumentou a aposta. Christophe Dumont, diretor da empresa para o cone sul, exigiu: “a legislação atual não é adequada ao mundo moderno e nem aos avanços da biotecnologia […]. Nós precisamos o mais rápido possível de um ordenamento jurídico que permita às empresas obter retorno aos seus investidores”.

Índia: o mito do uso seguro

Na índia existem centenas de milhares de trabalhadores e trabalhadoras rurais, camponeses e camponesas, que utilizam, em grande medida, agrotóxicos sem as medidas de proteção necessárias e que, assim colocam em risco a sua saúde e a de suas famílias. 

A Bayer conhece o problema do uso inseguro. Entretanto, não assume o risco da exportação de agrotóxicos altamente perigosos. Ao contrário, a Bayer oferece treinamentos para que agricultores saibam manejar agrotóxicos. Para isso, assumem proveitosas cooperações com instituições estatais e buscam com isso ainda angariar novos clientes.

A Bayer se comprometeu a cumprir, em seus processos de fabricação e comercialização, o Código de Conduta para Gestão de Agrotóxicos da ONU. Mesmo assim, a empresa vende na Índia o fungicida Nativo WG75 sem a rotulagem de riscos para fetos. Na União Europeia, este produto só pode ser vendido com a advertência de que o ingrediente ativo pode prejudicar gestantes.

Aqui se trata de um caso de duplos padrões. Até o presente momento, a Bayer ainda não inseriu a advertência no rótulo indiano. A empresa ignora o código de conduta da ONU e não cumpre com suas obrigações referentes aos direitos humanos.

Riscos

A nova mega-corporação promove um modelo de desenvolvimento agrícola-industrial que coloca em risco os direitos humanos e do meio ambiente, e contraria o cumprimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. O negócio da Bayer, baseado em transgênicos e agrotóxicos, representa um perigo à soberania alimentar de pequenos agricultores e agricultoras no mundo inteiro, para a saúde de camponeses e camponesas, trabalhadores e trabalhadoras rurais, consumidores e consumidoras e para todo o meio ambiente.

 

*Lena Michelsen é da Rede Inkota, Christian Russau é da Rede de Acionistas Críticos e Sarah Schneider é da Misereor. O artigo é um resumo da cartilha Avançando Juntos? Um ano de Bayer-Monsanto: um balanço crítico, publicado em alemão pela Misereor e Inkota em abril de 2019 e traduzido por Alan Tygel.

Edição: Daniela Stefano