Coluna

Vazamento para The Intercept mostra miséria da mídia comercial

Imagem de perfil do Colunista
12 de Junho de 2019 às 11:34

Ouça o áudio:

Os donos das capitanias hereditárias da mídia tem uma longa trajetória de violências praticadas contra a livre informação / Reprodução
Independência é palavra exilada. E credibilidade perdeu-se no século passado

Uma pergunta se recusa a calar: por qual razão o vazamento dos arquivos da Lava-Jato não teve como desaguadouro nenhum veículo da mídia comercial do país? Nem mesmo aquele que se vangloria – ou se vangloriava – de estar com o rabo preso apenas ao leitor? 

Em condições normais seria o caminho natural. Porém, como a mídia hegemônica brasileira sempre teve uma postura militante pró-República de Curitiba sem dar voz ao contraditório, obstruiu ela própria o aporte de informações que desmentem sua pregação. Se trabalhou a figura do juiz Sergio Moro como uma divindade que descia do Olimpo para fazer o bem na Terra, de que forma trataria revelações que expõem os pés de barro do semideus que engendrou?

Não é de hoje. Os donos das capitanias hereditárias da mídia tem uma longa trajetória de violências praticadas contra a livre informação. 

Na sua maioria esmagadora, perfilaram-se à ditadura civil-militar de 1964/1985. Não obrigados mas por afinidade. Ou por interesses nada jornalísticos mas totalmente empresariais. 

As Organizações Globo – não por acaso, também aliadas a Collor, FHC e, agora, Moro – são o exemplo mais pujante. À sombra das baionetas e das suas benesses, a TV Globo passou de emissora paroquial para uma das maiores redes de televisão do planeta. 

Publicando ou deixando de publicar. Sobre isso, atribui-se a Roberto Marinho frase concisa e reveladora dessa filosofia: “O Globo é o O Globo não pelo que publica mas pelo que deixou de publicar”.  

Deixar de publicar ou publicar mal sempre é um risco para quem repassa a informação. Afinal, a mídia nativa tem expertise em fabricação tanto de alarido quanto de silêncio, dependendo do lado em que estão os seus objetivos. Os episódios se multiplicam pelos 21 anos de ditadura e os 34 de democracia cambaleante. 

Seja qual for a origem do acervo recebido por The Intercept Brasil o certo é que está mais seguro e em melhores mãos do que encontraria nas redações dos jornalões. A manchete de O Globo Conversas de Moro com procuradores e ação de hacker serão investigadas é uma evidência da reação irritada do jornal da família Marinho às revelações trazidas por Glen Greenwald e seus jornalistas.

Em resposta, Greenwald definiu a TV Globo como “sócia, agente e aliada de Moro e Lava Jato - seus porta-vozes - e não jornalistas que reportem sobre eles com alguma independência". Independência é a palavra exilada pela mídia empresarial. Com ela outra palavra, credibilidade, também perdida ainda no século que passou. 

Edição: Daniela Stefano