greve geral

Todos os estados registram atos e paralisações; confira balanço parcial

Diversas categorias aderem ao movimento; 19 das 27 capitais tiveram o sistema de ônibus afetado pela mobilização

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

Grevistas tomaram as ruas da região central de Curitiba (PR) / Giorgia Prates

Milhões de trabalhadores e trabalhadoras cruzaram os braços nesta sexta-feira (14) e estão indo às ruas em todo o país em apoio à Greve Geral contra o desmonte da Previdência pública, os ataques do governo de Jair Bolsonaro (PSL) aos direitos sociais e os cortes em programas em áreas vitais para o desenvolvimento do país, como a Educação. Até as 13 horas, mais de 300 cidades de todos os estados haviam registrado protestos. Até o início da tarde, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) estimava que 45 milhões de trabalhadores tenham participado ou sido afetados por atos ou paralisações.

Segundo boletim parcial das centrais sindicais e de movimentos populares, dezenas de cidades amanheceram com o transporte público total ou parcialmente parado – como São Paulo, Maringá (PR), Aracaju (SE), Florianópolis (SC), Brasília (DF), Volta Redonda (RJ), Sorocaba (SP), Feira de Santana (BA), Piracicaba (SP), Campo Grande (MS), Curitiba (PR e Salvador (BA).

Das 27 capitais, 19 tiveram o sistema de ônibus afetado pela mobilização. Outras oito não tiveram interrupção no transporte coletivo por ônibus, mas registraram bloqueios de ruas ou estradas por manifestantes, ou tiveram paralisação parcial no metrô.

 

Greve Geral de 14 junho

Também estão parados trabalhadores de portos como o de Pecém no Ceará; refinarias, como Recap em Mauá e Abreu e Lima em Pernambuco; indústria metalúrgica, como Volks e Mercedes em São Bernardo; energia; bancários em São Paulo e no ABC; pessoal da Saúde; Eletricitários; Correios no Rio e São Paulo; e universidades como UFRJ, UFSC, UFAL, UFBA e UFCG; segundo os primeiros balanços.

Além das paralisações, o dia de Greve Geral está sendo marcado por dezenas de atos em todo país, organizados por movimentos populalres como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Movimento dos Atingidos por Barreiras (MAB) e Marcha Mundial das Mulheres, com interdições de rodovias e avenidas.

 

Passeata em Florianópolis, Santa Catarina, no amanhecer desta sexta-feira (14). (Foto: Divulgação)

Na cidade de São Paulo, ocorreram bloqueios na avenida 23 de Maio, no elevado João Goulart, na USP e em Sapopemba, entre outros pontos. No estado foram registrados atos em São Bernardo, Diadema, Campinas, Bauru, Itapeva, Sorocaba, Vinhedo, Taubaté e Presidente Prudente.

Houve bloqueios ainda em Santa Catarina (Florianópolis e Chapecó), Alagoas (Maceió), Paraná (Araucária, Francisco Beltrão, Cascavel e Pato Branco), Pará (Belém e Eldorado doas Carajás), Pernambuco (em várias rodovias do entorno de Recife e outros pontos do estado, como Aliança, Jaboatão, Gravatá, Pesqueira e Caruaru), em Minas Gerais (Ouro Preto, Juiz de Fora, Congonhas e BH), Rio de Janeiro (Capital, Niterói e Campos dos Goytacazes), Sergipe (Aracaju e Monte Alegre), Rio Grande do Norte (Natal, Extremoz e João Câmara); em vários pontos na Paraíba; na Bahia (Barreiras, Catités, Santo Antonio de Jesus, Salvador); no Maranhão (São Luís), no Rio Grande do Sul (Porto Alegre e Eldorado do Sul), em Rondônia (Jaru), em Goiás (Goiânia) e em muitos outros locais.

 

Avenidas que dão acesso ao Centro de São Paulo às 8h30. (Foto: Divulgação)

Edição: João Paulo Soares