Desmentindo

Lava Jato: mensagens indicam que procuradores acatam pedido de Moro de afastar colega

Um dia antes de nova denúncia, Moro afirmou ao Senado que não se recordava de diálogo sobre procuradora Laura Tessler

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

Atual ministro da Justiça, Moro é pivô de escândalo envolvendo Lava Jato / Foto: Pedro França/Agência Senado

Em mais um capítulo dos vazamentos relacionados à Lava Jato, vem a público que houve uma discussão sobre alterar a escala de procuradores em audiências da operação após críticas do ex-juiz Sérgio Moro a Laura Tessler, uma das procuradoras do grupo. Os diálogos que envolvem, além do atual ministro da Justiça, os procuradores Deltan Dallagnol e Carlos Fernando dos Santos Lima foram divulgados nesta quinta-feira (20), pelo comentarista Reinaldo Azevedo em seu programa de rádio "O É da Coisa", após acordo o site The Intercept.

As novas mensagens reveladas mostram que Dallagnol e Santos Lima, hoje aposentado, discutiram a escala das audiências após o coordenador da força-tarefa compartilhar com o colega mensagem de Moro tecendo críticas à procuradora Laura Tessler, conteúdo este que já havia sido revelado no último dia 9. Segundo consta, Moro teria escrito: "Prezado, a colega Laura Tessler de vcs é excelente profissional, mas para inquirição em audiência, ela não vai muito bem."

Após compartilhar o conteúdo, Deltan teria argumentado: "Vamos ver como está a escala e talvez sugerir que vão 2, e fazer uma reunião sobre estratégia de inquirição, sem mencionar ela". Em sequência, Santos Lima responde: "Por isso tinha sugerido que Júlio ou Robinho fossem também. No [depoimento] do Lula não podemos deixar acontecer". O atual procurador aposentado teria dito que apagaria a conversa de seu celular, a pedido de Deltan.

Dois meses depois da data que teria ocorrido o diálogo, em maio de 2017, o primeiro depoimento de Lula como réu em Curitiba acontece sem a presença de Tessler, mas com a participação do próprio Santos Lima, além de Júlio Noronha e Roberson Pozzobon, citados pelo colega nas mensagens.

Contradição

Na última quarta-feira (19), Moro compareceu a uma audiência no Senado Federal, onde foi questionado sobre a orientação relacionada a Laura Tessler. Sobre o tema, ele argumentou que isso era um factóide e que não se lembrava da mensagem específica. 

"Em nenhum momento no texto, há alguma orientação de substituição daquela pessoa [Tessler]. Tanto que essa pessoa continua e continuou realizando audiências e atos processuais até hoje dentro da Operação Lava Jato. Um juiz eventualmente recomendar para um advogado na audiência ou para um procurador: 'Olha, profissionalmente, vou te dar um conselho, faça assim, não faça assado…' Como isso pode ser considerado alguma coisa ilícita?", supôs o ministro.

Em resposta ao jornal Folha de S. Paulo, o Ministério da Justiça, atual pasta comandada por Moro, disse que não reconhece a autenticidade do diálogo e que, mesmo se for verdadeiro, não há nada de ilícito ou de antiético; e que o ex-juiz não pediu a troca da procuradora Tessler. A força-tarefa da Lava Jato no Paraná afirmou que não vai comentar o assunto.

Confira o suposto novo diálogo obtido pelo site The Intercept:

Deltan Dallagnol: Recebeu a mensagem do Moro sobre a audiência também?

Carlos Fernando: Não, o que ele disse?

Deltan Dallagnol: Não comenta com ninguém e me assegura que teu telegrama não está aberto aí no computador, e que outras pessoas não estão vendo por aí que falo. Você vai entender porque estou pedindo isso

Carlos Fernando: Ele está só pra mim, depois apagamos o conteúdo 

Deltan Dallagnol: (reproduzindo a mensagem do moro) - Prezado, a colega Laura Tessler de vcs é excelente profissional, mas para inquirição em audiência, ela não vai muito bem. Desculpe dizer isso, mas com discrição, tente dar uns conselhos a ela, para o próprio bem dela. Um treinamento faria bem. Favor manter reservada essa mensagem.

Carlos Fernando: Vou apagar, ok? 

Deltan Dallagnol: Apaga sim

Carlos Fernando: Apagado

Deltan Dallagnol:  vamos ver como está a escala e talvez sugerir que vão dois e fazer uma reunião sobre estratégia de inquirição sem mencionar ela

Carlos Fernando: Por isso tinha sugerido que Júlio ou Robinho fossem também. No do Lula não podemos deixar acontecer

Carlos Fernando: Apaguei

Edição: Vivian Fernandes